Premium Os fantasmas da avenida

Comecei a acreditar em fantasmas quando me mudei para Lisboa, até esse momento só os tinha encontrado em livros e na televisão, agora vejo-os todos os dias e até já conversei com alguns.

Os meus fantasmas habitam a Avenida Almirante Reis, dormem em caixas de cartão ou embrulhados em cobertores sujos, alguns pedem, alguns bebem ou drogam-se, alguns recebem o rendimento social de inserção. Há fantasmas portugueses e estrangeiros, homens e mulheres, velhos e novos. Alguns tiraram licenciaturas e tinham casa e trabalho estável; foi a crise, foi o álcool, foi uma desgraça que aconteceu. Os fantasmas estão lá todos os dias e é preciso muito esforço para não acreditar neles - olhar para o lado, olhar para o chão, e, sobretudo, evitar a todo o custo fixar-lhes os olhos que parecem mesmo de gente como nós.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.