Podemos entrevistar quem quisermos?

Numa das suas edições de novembro do ano passado o programa da manhã do canal americano Fox, Fox & Friends (Fox e Amigos), teve como convidado um especialista em ambiente que disse, com ar sério, num cenário sério e azul, o seguinte: "Os combustíveis fósseis, de facto, melhoram o ambiente." E continuou por ali fora a negar o aquecimento global e com a concordância do apresentador do programa, Brian Kilmeade. A ida deste especialista ao programa da Fox era uma resposta a um tweet do democrata - e possível candidato - Bernie Sanders sobre os efeitos terríveis da mudança de clima. "Isto é tonto", contrapôs Morano. O apresentador concordou.

Este é o ponto a que chegaram os programas da manhã nos Estados Unidos - imiscuíram-se na luta política, tomaram posição, e hoje são pró e contra Trump. Mas numa coisa o programa da manhã da Fox é igual aos programas da manhã no mundo inteiro: uma mescla perigosa entre jornalismo e entretenimento. Os que o apresentam não são jornalistas, mas parecem. As opiniões são dadas sem pejo, mas inspiram-se em factos e reportagens reais. As informações sobre o tempo que faz e as receitas de culinária são intercaladas por notícias sobre os "perigos da imigração".

Donald Trump sabe bem do poder da televisão no seu duplo papel de fã e personagem. E, ao usá-la, não o fez através do jornalismo televisivo (que tem um ética profissional) - mas através destes programas de televisão que, além de lhe serem favoráveis, por não serem considerados informação eram permeáveis a entorses opinativas. Isso começou na campanha - com Trump a tuitar em direto sobre temas que o programa Fox & Friends acompanhava - e continuou presidência fora.

A coisa é de tal forma gritante que o Fox & Friends é hoje um dos braços armados de Trump junto da classe média suburbana. Mas sendo estes programas que acabam por ser vistos por toda a gente, nem que seja na TV da cozinha, antes de ir trabalhar, percebe-se bem o poder que têm. Quem só reparou nisso agora, com o escândalo de Mário Machado ter ido ao programa da manhã de Manuel Luís Goucha, tem andado muito desatento. Pouco importa se é informação ou é entretenimento, ou aliás por causa disso mesmo, é provável que estes programas moldem mais mentalidades do que todos os telejornais juntos.

É por isso que não vale muito a pena escudarmo-nos em questões menores, se aquilo é ou não é jornalismo e se o que aconteceu pode ser punido por leis e entidades reguladoras. Há muito que nos devíamos ter habituado a que quem recebe a informação recebe-a de igual forma - sobretudo por causa da homogeneização a que conduziram as redes sociais. Agora, se parece, é.

Essa consciência seria suficiente para despertar a responsabilidade e a ética. Dos que fazem infoentretenimento, evidentemente: deviam saber que nada do que fazem é anódino, muito menos uma rubrica em que entrevistam um neonazi. Mas, por tabela, também dos que fazem jornalismo e tantas vezes o apresentam como entretenimento - em programas com estética de show e retórica popular.

O problema dos programas de infoteinment, informação e entretenimento não é só deles. O jornalismo deixou, e para seu mal, de marcar essa diferença clara. As narrativas confundem-se, por vezes roçando a opinião, por vezes roçando a telenovela e o espetáculo.

Este é, aliás, um bom momento para pesarmos no que andamos todos a fazer com o poder que temos, sobretudo quando esse poder é tão elástico e subjetivo como o de comunicar e transmitir mensagens e ideias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.