Líder da JSD: "Saí da universidade com a convicção de que conseguia mudar o mundo"

Margarida Balseiro Lopes entrou na Universidade de Verão do partido com 16 anos e a experiência "ficou para a vida". A agora líder da JSD ajuda a que cem alunos vivam esta semana de discussão política, em Castelo de Vide, Portalegre de forma "muito intensa".

Paula Sá
Margarida Balseiro Lopes, líder da JSD.© Gerardo Santos/Global Imagens

A Universidade de Verão (UV) do PSD arrancou nesta segunda-feira e encerra no domingo com o discurso do líder social-democrata Rui Rio. A semana vai ser praticamente "24 sobre 24 horas", de trabalho e de discussão entre os "professores", os alunos selecionados - foram 250 os que se candidataram - e as figuras convidadas a participar no evento, que faz 16 anos.

Exatamente os mesmos com que Margarida Balseiro Lopes chegou a Castelo de Vide, vila alentejana onde decorre sempre o evento, pela mão dos pais. "A universidade é para mim muito especial, tudo o que fiz e o que sou na política aprendi aqui", garante a líder da JSD.

Daquela primeira semana só tem boas memórias, até da sua inexperiência. Nesse ano, Durão Barroso, então presidente da Comissão Europeia, era a "estrela" da UV. Margarida estava ansiosa por lhe colocar uma pergunta, mas não saiu exatamente o que queria: "Nunca tinha feito uma intervenção, estava muito nervosa. E em vez de dizer que a intervenção de Durão Barroso tinha sido 'muito interessante', disse a minha pergunta é muito interessante..." ri, ao recordar a gaffe .

"A Universidade é para mim muito especial, tudo o que fiz e o que sou na política aprendi aqui"

Se correu mal naquele dia, o certo é que foi a primeira de muitas intervenções que tem feito, mas há uma que se destaca das outras, a que fez no 25 de Abril deste ano, em nome da bancada do PSD, e que foi aplaudida por todos os grupos parlamentares. O treino da UV surtiu efeito.

"A semana da UV é muito cansativa, com temas muito diferentes, tão intensa que saímos de lá, saí de lá, com a convicção de que conseguimos mudar o mundo", afirma Margarida Balseiro Lopes. E reforça que é "uma aprendizagem magnifica", que permite o contacto com "colegas muito diferentes", em que se trabalha em grupo.

Do trabalho em grupo também lhe vem à memória o que realizou por sugestão de Francisco Pinto Balsemão, fundador e militante número 1 do PSD, numa altura em que estava em discussão a revisão do programa do partido. Construiu com os colegas um planetário, em que estavam representados os valores do partido. "Foram os que ficaram e me marcaram", garante.

Da UV do ano passado, a líder da JSD quer destacar a "magnifica" intervenção do deputado socialista Sérgio Sousa Pinto, que foi orador convidado em Castelo de Vide. Porque, diz, "o que enriquece muito a universidade é ouvir muitas pessoas que não têm o cartão do PSD. Não conseguiríamos fazer um debate sério se não ouvirmos pessoas diferentes", frisa.

Marcelo Rebelo de Sousa, o campeão das presenças na Universidade de Verão, onde participou nove vezes, "era o momento mais esperado da UV" porque misturava a história e a ideologia com momentos de bom humor. "Professor que era, passou sempre a sua mensagem de forma simples, tal como faz hoje enquanto Presidente da República."

Neste ano, Marcelo vai responder à distância às perguntas dos alunos. Segundo o Observador, além de Marcelo Rebelo de Sousa, os alunos vão poder pôr questões ao ex-ministro socialista António Vitorino, ao antigo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, à bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, e à jornalista Manuela Moura Guedes.

"Professor que era, passou sempre a sua mensagem de forma simples, tal como faz hoje enquanto Presidente da República"

Dos participantes deste ano, além de Leonor Beleza, presidente da Fundação Champalimaud, que também marca presença regulamente em Castelo de Vide, destacam-se o comissário europeu Carlos Moedas, o eurodeputado social-democrata Paulo Rangel, o antigo líder do CDS, Ribeiro e Castro, e o líder da UGT, Carlos Silva. E o convidado estrangeiro é eurodeputado espanhol do PPE José Ignacio Salafranca, que vai refletir sobre se "Há sinais de esperança num mundo em crise?".

O "reitor" da universidade continua a ser o eurodeputado do PSD Carlos Coelho, que garante: "A Universidade de Verão é sobretudo um espaço de formação e de ação pedagógica e o programa está cheio de pessoas com currículo e muito conhecimento nas áreas de que vão falar."

No domingo, Rui Rio encerra a UV e vai fazer um discurso de fundo sobre as grandes prioridades do partido para o próximo ano eleitoral. Um ano de europeias e legislativas e que garantiu que o partido ganhará se se esforçar por isso.