Premium Tribunal manda para a cadeia violador que tinha apanhado pena suspensa

Juízes da Relação do Porto consideram o crime de especial gravidade, pelo que a suspensão de pena poria em causa a confiança na justiça. Homem condenado a quatro anos e sete meses de prisão.

A vítima é romena e era prostituta na região de Aveiro. O agressor é um português, 24 anos, com emprego e companheira mas com problemas de consumo de drogas. Os crimes foram o roubo e a violação, que chegaram a ditar a prisão preventiva do arguido durante sete meses. Mas em julgamento, no Tribunal de Aveiro, o homem foi condenado a quatro anos e meio de prisão com pena suspensa e a pagar 2400 euros à vítima, que, pouco depois dos crimes, regressou ao país natal. O Ministério Público recorreu, devido ao facto de o arguido não ter sido condenado pelo crime de introdução em local vedado e o Tribunal da Relação do Porto deu provimento ao recurso. Como condenou o homem por este crime em mais dois meses de prisão, fez um novo cúmulo jurídico e somou mais um mês à pena anterior, com uma diferença importante: a pena de prisão passa a ser efetiva devido à gravidade dos crimes, em especial o de violação.

Para os juízes desembargadores Francisco Mota Ribeiro e Elsa Paixão, "face aos factos dados como provados e à gravidade dos mesmos", a suspensão da pena não é a melhor decisão "porque a personalidade neles revelada pelo arguido, em especial nos crimes mais violentos cometidos, isto é, o de roubo, seguido de violação, e neste a especial gravidade no modo como foi consumado o crime, (...) nos levam a concluir que àquela suspensão se opõem "as necessidades de reprovação e prevenção do crime", sob pena de poderem ser postas em causa 'as exigências mínimas e irrenunciáveis de defesa do ordenamento jurídico' e a confiança que nele deve depositar a comunidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?