Thierry e Nuno. De dar cartas na pré-época a estreantes na Supertaça

O azar de uns é a sorte de outros. Devido às lesões dos habituais titulares, os dois jovens devem ser apostas no dérbi deste domingo.

Benfica e Sporting discutem neste domingo o primeiro troféu oficial da época, a Supertaça Cândido de Oliveira, que põe frente a frente o vencedor do campeonato ao detentor da Taça de Portugal. A partida, que se realiza no Estádio Algarve (20.45, RTP1), pode ficar marcada pela despedida de Bruno Fernandes e ainda pelas prováveis estreias a titular de dois miúdos: Nuno Tavares e Thierry Correia, ambos no lado direito da defesa.

Nuno Tavares, 19 anos, camisola 71 do Benfica, tem dado nas vistas nesta pré-época. Aliás, foi o jogador mais utilizado por Bruno Lage (340 minutos em 450 possíveis). Defesa esquerdo de raiz, perante a ausência de André Almeida (a recuperar de uma lesão), e de Ebuehi (esteve a época toda parado e ainda não tem ritmo), foi adaptado a lateral direito. E cumpriu, pelo que tudo indica que neste domingo vai manter o lugar.

"Tem um perfil físico extremamente interessante. É um lateral muito veloz, com grande resistência física, que lhe permite fazer o corredor todo do primeiro ao último minuto sempre com a mesma cadência de passada, e aos traços físicos alia uma grande capacidade de progressão para o espaço interior. Defensivamente ainda terá de crescer nas abordagens individuais, mas tal só acontecerá com maior número de jogos", analisou ao DN Pedro Bouças, treinador e criador do blogue Lateral Esquerdo.

"Ao contrário do Thierry, chegou mais tarde às seleções nacionais, mas o impacto que tem tido é muito grande, precisamente por ser um lateral moderno. Terá ofensivamente a dificuldade de jogar no corredor contrário, o que o inibirá na hora de servir os colegas em zona de finalização. Também defensivamente sentirá a menor vivência do corredor direito, mas tem condições para no médio prazo triunfar no Benfica, mas no corredor oposto àquele onde poderá jogar a Supertaça", acrescentou.

Thierry Correia, 20 anos, está a viver uma pré-temporada de sonho. E de quarta ou quinta opção para o lugar de defesa direito, surge na pole position para ser titular na Supertaça, ele que na época passada chegou a ser opção em dois jogos da Liga Europa (Vorskla e Karabakh), tendo atuado alguns minutos. Formado na Academia Sporting, o jovem natural da Amadora marcou presença em maio no Mundial de sub-20 e foi um dos jovens chamados por Marcel Keizer para a pré-época leonina. Atuou a titular no primeiro jogo com o modesto Rapperswil-Jona, da Suíça, mas foi frente ao Valência, em Alvalade, que surgiu em bom plano e parece ter ganho a confiança do treinador holandês em detrimento de Bruno Gaspar e até de Illori (apesar de ser central pode ser adaptado à direita). Os outros dois laterais, Ristovski e Rosier, estão lesionados.

"É um lateral direito de grande capacidade física, que se impõe maioritariamente sem bola nas tarefas defensivas. Precisará de melhorar a sua tomada de decisão e a capacidade de progressão para o espaço interior, mas tem condições para defensivamente se impor, desde que salvaguardado pelo coletivo, uma vez que enfrentar Rafa nas situações de um para um nunca será fácil. O Thierry cresceu sempre como alternativa ao Diogo Dalot nas seleções jovens, mas é um jogador já com experiência internacional e que não chegará ao dérbi da Supertaça sem essas vivências", referiu Pedro Bouças.

Casa Pia e Damaiense foram pontes

Nuno Tavares fez alguns anos da sua formação no Sporting, mas como estudava na Casa Pia e a mãe queria tê-lo por perto, tirou-o da academia de Alcochete. E foi assim que em 2013 começou a jogar no Casa Pia, onde ficou até 2015, ano em que ingressou nos juniores do Benfica. Na época passada foi alternando entre a equipa de juniores, a de sub-23 e a B dos encarnados (13 jogos). E convenceu Bruno Lage.

"Consegue desempenhar bem as duas funções, apesar de ser melhor à esquerda. Tínhamos indicação para dar os primeiros 15 ou 20 minutos ao Ebuehi e o André [Almeida] está perto de recuperar para recomeçar. As oportunidades são dadas, todos têm de fazer pela vida. A partir de dia 4, os resultados começam a valer. Vamos avançar com o melhor onze e com quem estiver a render. Não deixamos ninguém para trás, mas não há muito tempo a perder. O azar de uns é a sorte de outros", disse recentemente o treinador Bruno Lage.

Thierry Correia chegou ao Sporting com 10 anos. Antes jogou no Damaiense e até esteve para desistir do futebol porque a mãe não podia levá-lo aos treinos. Mas contou com a preciosa ajuda de um treinador e pôde continuar a jogar. Em Alvalade foi campeão nos juvenis e nos juniores. E pelas seleções jovens campeão europeu de sub-17 em 2016 e pelos sub-19 em 2018. Curiosamente começou a jogar como médio, foi depois desviado para extremo até recuar para lateral.

Na época passada atuou sobretudo pela equipa de sub-23 dos leões (24 jogos), mas foi presença assídua nos treinos da equipa principal e Marcel Keizer chegou a dar-lhe duas oportunidades - foi suplente utilizado em dois jogos da Liga Europa, com o Vorskla e o Karabakh. Mas esta pode muito bem ser a época de afirmação. "Parece muito bom jogador", disse recentemente Cristiano Piccini, no final do jogo com o Valência, ele que deixou saudades em Alvalade, sobretudo no lado direito da defesa, quando em 2017 trocou os leões pelo emblema espanhol.

Tal como Nuno Tavares, também Thierry tem a seu favor o fator polivalência. Apesar de ser lateral direito de raiz, também pode jogar à esquerda. Aliás, nesta pré-temporada, atuou nessa posição no jogo particular contra o Liverpool.