Botija de gás solidária fica fechada até ao final de agosto

A medida consta do Orçamento do Estado para este ano, mas estava num impasse há meses.

O processo para criar em Portugal uma tarifa solidária para o gás de garrafa, à semelhança do que acontece com a tarifa social na eletricidade e no gás natural, estava há meses num impasse, mas deverá avançar até ao final deste mês. À portaria que regulamenta os preços solidários para o GPL engarrafado, o público-alvo, os modelos de comercialização, os municípios abrangidos, entre outras questões, faltava apenas a luz verde do lado da Secretaria de Estado das Autarquias Locais, o que aconteceu nesta semana, sabe o DN/Dinheiro Vivo.

Entre os entraves levantados estavam, por exemplo, dúvidas sobre a legalidade da venda de gás pelos municípios. Fonte conhecedora do processo explicou ao DN/Dinheiro Vivo que esta questão não se põe porque a botija solidária será vendida, em cada região, pela empresa comercializadora de gás escolhida em concurso público para o efeito.

Coimbra é um dos municípios, entre outros do interior do país, que já demonstraram interesse em ter esta tarifa solidária para o gás de garrafa. Do lado das empresas, estão na corrida a Cepsa e a Rubis, para já.

A faltar fica apenas o aval da futura entidade fiscalizadora da área da energia, cuja aprovação aconteceu no último Conselho de Ministros de julho, sendo considerado "um dos elementos essenciais à aprovação da portaria e do protocolo necessários à implementação deste novo regime social na área da energia", adiantou fonte oficial do gabinete do secretário de Estado da Energia.

Oito meses à espera

A medida consta do Orçamento do Estado para este ano, que entrou em vigor no dia 1 de janeiro, por proposta da bancada do Partido Socialista. De resto, um grupo de deputados do PS já tinha questionado o Ministério da Economia.

Na pergunta ao governo no início de maio, os deputados Hugo Costa, Luís Testa e Carlos Pereira queriam saber o ponto de situação em que se encontrava o processo. Na resposta, datada de 12 de junho, o gabinete do ministro Manuel Caldeira Cabral fez saber aos deputados que "várias empresas já manifestaram o seu interesse em participar neste projeto, mostrando-se disponíveis para suportar os custos da tarifa solidária". E pouco mais acrescentava sobre como estava o processo. Também nessa altura a Cepsa dizia que a bola estava do lado governo.

Cada bilha de gás custa, em média, 25 euros, podendo este valor descer para metade com a tarifa social.

Atualmente, de acordo com a Deco, existem 2,6 milhões de lares que ainda utilizam gás engarrafado em Portugal, correspondendo a cerca de 70% dos consumidores. Por comparação, os lares com gás natural são apenas 1,3 milhões e pagam menos 119 euros por ano.

Cada bilha de gás custa, em média, 25 euros, podendo este valor descer para metade com a tarifa social. Isto porque, fonte do governo voltou a afirmar ao Dinheiro Vivo, a tarifa solidária poderá custar entre os 12 e os 15 euros, equiparando aos preços praticados em Espanha. Já neste ano, a Cepsa - um dos operadores a manifestar interesse - garantiu que poderia colocar no mercado a garrafa de gás solidária a 18 euros. O preço final ainda não está definido e vai ser estabelecido num despacho do secretário de Estado da Energia, na sequência de negociações com as empresas.

Quem terá direito à tarifa solidária

À semelhança da tarifa social de eletricidade e do gás natural, têm direito a este apoio as famílias que se encontrem em situação de carência socioeconómica. Neste universo cabem os agregados que recebem o complemento solidário para idosos, o rendimento social de inserção, o subsídio social de desemprego, o abono de família, a pensão social de invalidez e a pensão social de velhice.

Mais simples: todos os beneficiários da tarifa social de eletricidade, com a Direção-Geral da Energia e Geologia a ter de fornecer aos municípios a identificação dos beneficiários na região. A lei explica ainda que a adesão dos municípios a este regime é voluntária.

Numa primeira fase, vai decorrer durante um ano um projeto-piloto com alguns municípios pré-selecionados, abrindo-se depois o regime a todo o país.

Deputado do PS culpa redutores

Sendo a iniciativa original da bancada do PS, o DN/Dinheiro Vivo questionou o deputado Luís Testa, um dos subscritores da proposta, sobre as razões do atraso. O parlamentar afirmou que o problema se devia a "uma questão técnica", acrescentando tratar-se de "uma falta de uniformização dos redutores das garrafas", uma vez que cada operador tem o seu, não podendo ser utilizado na bilha de gás de outras marcas. Luís Testa considera que, apesar destes atrasos, até ao final do ano, a medida estará no terreno. "Ainda não vemos necessidade para redefinir o calendário", assegurou o deputado, não se comprometendo com datas.

Fonte da Secretaria de Estado da Energia diz que "não há até ao momento qualquer problema técnico (nem se prevê que haja), havendo vários municípios que já demonstraram interesse no projeto, a que vão poder aderir logo que o regulamento esteja publicado". A mesma fonte acrescenta que a "questão dos redutores terem de ser uniformizados não se põe porque cada município vai escolher, em concurso, a empresa que vai comercializar a garrafa de gás com preço solidário".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.