Calor. Um terço do país bateu recordes de temperaturas em agosto

Às 19:00 desta sexta-feira, Alcácer do Sal, distrito de Setúbal, atingia 45,9 graus Celsius, tornando-se na localidade mais quente do país. Logo a seguir aparece Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, que atingiu 45,5 graus, segundo os dados do IPMA. Prevê-se que as temperaturas máximas voltem a subir este sábado acima dos 45º . É até possível, segundo a BBC, que em Portugal seja batido o recorde europeu, registado há mais de 40 anos na Grécia.

Susete Henriques
© TIAGO PETINGA/LUSA

Sem dar tréguas, o calor extremo atingiu esta sexta-feira valores ainda mais elevados de temperaturas máximas, com Alcácer do Sal, no distrito de Setúbal, a ser a cidade mais quente do país ao atingir 45,9 graus Celsius. Logo a seguir surgiu Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, onde foram registados 45,5 graus, segundo os dados do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, os recordes de máximas em agosto foram batidos esta sexta-feira num terço do país, com a região Sul a destacar-se ao registar uma maior subida nas temperaturas máximas.

Além de Alcácer do Sal e de Reguengos, as estações do IPMA com valores superiores a 44º registaram-se esta sexta-feira em Alvalade (44.8 º), Alvega (44.7°), Pegões (44.6 °), Setúbal (44.6 °), Portel (44.6 °), Mértola (44.4 °), Neves Corvo (44.2 °), Évora (44.1 °), Coruche (44.1 °) e Zebreira (44.1 º).

Segundo o comunicado do IPMA enviado ao DN, na quinta e sexta-feira "foram excedidos os recordes da temperatura máxima para o mês de agosto em cerca de 20% e 45% das estações, respetivamente".

Ao todo foram 16 as estações que registaram esta sexta-feira recordes históricos, sete das quais referentes aos estabelecidos na quinta-feira, conforme mostra a tabela do IPMA.

No referido comunicado, é explicado que "em 15 % das estações foram ultrapassados" nesta sexta-feira "os extremos de temperatura máxima" registados no dia anterior.

Prevê-se que o calor intenso se mantenha até segunda-feira, dia 6, sendo esperadas temperaturas na ordem dos 40º em grande parte do território continental. O "período mais crítico" é até hoje, sábado, "em vários locais do Alentejo, vale dos rios Douro e Tejo e na Beira Baixa", em que "a temperatura máxima poderá atingir 45° e, num ou outro local, ultrapassar este valor", diz o IPMA.

É desta forma expectável que sejam verificados novos recordes históricos neste sábado, estando 11 distritos - Lisboa, Setúbal, Bragança, Évora, Guarda, Vila Real, Santarém, Beja, Castelo Branco, Portalegre e Braga - em aviso vermelho até às 14:59 de domingo, devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima, segundo o IPMA.

Sábado promete temperaturas máximas extremas em Portugal, mas também em Espanha e, segundo a BBC, é esperado que nestes dois países seja batido o recorde europeu registado na Grécia há mais de 40 anos em Elesfina e Tatoi. Nestas duas localidades, situadas na região da Ática Ocidental, onde fica Atenas, os termómetros registaram 48 graus Celsius, a temperatura mais alta registada na Europa desde que começaram as medições, em 1956.

Em Portugal, o recorde é de 1 de agosto de 2003, ano em que se registou "novo máximo absoluto relativo à temperatura máxima de 47,3°C na Amareleja", segundo o IPMA. A onda de calor que se verificou nesse ano é "comparável" a que estamos a viver agora.

As previsões do IPMA apontam também para valores muito elevados nas temperaturas mínimas, que deverão atingir "valores próximos de 25° em grande parte do território, aproximando-se de 30° em alguns locais do interior Centro e Sul, em especial no Alto Alentejo", lê-se no comunicado.

Na zona de Portalegre, por exemplo, as temperaturas noturnas não deverão baixar dos 30 graus

Aliás, esta onda de calor extremo levou a Autoridade Nacional da Proteção Civil a estender esta sexta-feira o estado de alerta especial vermelho, o mais grave, em relação aos meios de combate a incêndios florestais, a 11 distritos de Portugal continental. Depois de Faro e Beja, os distritos de Lisboa, Setúbal, Évora, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Viseu, Guarda e Bragança ficaram abrangidos por este nível de alerta do Sistema Integrado de Operações de Socorro, que define a "prontidão e mobilização das estruturas, forças e unidades de proteção e socorro".

Precisamente no dia em que mais 11 distritos de Portugal continental ficaram em alerta especial vermelho, em Monchique, no distrito de faro, deflagrou um incêndio florestal, que levou à evacuação por precaução do lugar das Taipas, e que mobilizou na sexta-feira mais de 400 operacionais, dos quais nove tiveram de receber assistência médica. No combate às chamas estiveram envolvidos 10 meios aéreos e 127 veículos. "Vai ser uma tarefa difícil dominar este incêndio, espera-se uma noite muito complicada, de muito trabalho e muito exigente", referiu Abel Gomes, comandante de operações de socorro, durante a conferência de imprensa ao final do dia.

A partir de domingo, dia 5, o calor deverá abrandar. De acordo com as previsões meteorológicas, "a temperatura deverá registar uma ligeira descida nas regiões do litoral Sul e, nos dias seguintes, no restante território, sendo essa descida mais significativa no dia 7".

Prevê-se, no entanto, "que os valores da temperatura máxima se mantenham na ordem de 30-35° em muitos locais até dia 10", refere o IPMA, dando conta que "haverá transporte de poeiras do Norte de África que afetará gradualmente, de sul para norte, todo o território, traduzindo-se num tom amarelado do céu".