Alojamento local recebeu 13 milhões de turistas em 2017

Número é avançado pela associação do setor, que hospedou perto de um terço das pessoas que visitaram Portugal.

Ana Laranjeiro
Turismo em Portugal voltou a crescer em 2017.© Paulo Spranger/Global Imagens

Mais de 13 milhões de turistas que estiveram em Portugal no ano passado ficaram no alojamento local. É um terço do total de hóspedes. As contas são da ALEP, a associação do setor, que explica que a diferença face aos números do INE - 3,4 milhões de hóspedes em 2017, mais 29% do que em 2016 - reside no facto de o gabinete de estatística apenas contabilizar os estabelecimentos com dez ou mais camas, uma fatia muito pequena da realidade nacional.

"A maioria dos apartamentos e moradias, que é grande parte do alojamento local, tem menos de dez camas. Os números que o INE mostra do alojamento local são quatro a cinco vezes menores do que a realidade", garante Eduardo Miranda, presidente da ALEP, em declarações ao DN/Dinheiro Vivo.

A 31 de julho do ano passado, o INE indicava que existiam 2663 estabelecimentos de alojamento local, "quando sabemos que hoje são 72 mil e que, naquela altura, talvez fossem perto de 60 mil. É fácil verificar que as estatísticas oficiais apenas apanham uma ponta de um icebergue. Tem que ver com a metodologia".

Multiplicando por quatro os 3,4 milhões de hóspedes que, segundo o INE, ficaram no alojamento local, "verificamos que estes estabelecimentos já representam cerca de 30% dos hóspedes. E nas dormidas deverá ser ainda mais. Precisamos urgentemente é de integrar o alojamento local como um todo nas estatísticas do turismo. Estamos a perder qualquer coisa como dez milhões de hóspedes em termos estatísticos".

A ALEP considera que "é muito difícil" traçar um cenário para 2018, até porque a nova lei está a gerar "receio"

Os dados relevados ontem pelo INE indicam que o número de hóspedes em Portugal ascendeu a 24,1 milhões em 2017 (+12,9%) e as dormidas a 65,8 milhões (+10,8%). O mercado externo foi responsável por mais de 47 milhões de dormidas (+12,2%). O principal mercado emissor foi o britânico, seguido pelo alemão, francês e espanhol.

A ALEP considera que "é muito difícil" traçar um cenário para 2018, até porque a nova lei está a gerar "receio" junto de alguns dos proprietários de alojamento local. Nesta semana, o Presidente da República promulgou o decreto da Assembleia da República que altera o regime de autorização de exploração destes estabelecimentos. Estas novas regras permitem que as autarquias e as assembleias de condóminos intervenham na autorização do alojamento local.

"Como vai ser o futuro com esta nova lei? Estamos a mexer com um terço do alojamento turístico. Estamos a colocar um pilar do turismo num ambiente de receio e instabilidade, porque [passa a] depender de fatores subjetivos como a posição dos vizinhos ou como a interpretação da câmara sobre o que é sobrecarga ou não."