Viver com a criminalidade e a insegurança

Como travar a violência na Venezuela? Para uns com armas, para outros através da educação. "Mas como se pode ensinar com os estômagos vazios?"

Não há dados oficiais sobre a criminalidade, violenta ou não, na Venezuela, mas não há dúvida de que a vida é cada vez mais difícil num país que é considerado um dos mais perigosos do mundo. Multiplicam-se os relatos de sequestros, de assaltos e até de homicídios. Crimes que, muitas vezes, ficam impunes. O sistema judicial não tem capacidade de resposta. As prisões estão sobrelotadas. As próprias forças de segurança são muitas vezes suspeitas. Mas há quem não baixe os braços e aposte em diferentes formas de combater esta realidade. Formas que vão desde dar o pão, para não roubarem, até à aposta demorada e paciente na educação.

São visíveis as consequências do colapso da economia com a hiperinflação, das carências alimentares, da falta de medicamentos e de cuidados de saúde, das falhas na distribuição de energia elétrica e de água potável, da ausência de manutenção dos equipamentos públicos, da emigração em massa, num país a implodir. Mas as consequências, numa análise mais aprofundada, são ainda piores.

Uma especialista em ciências da educação de uma universidade da capital venezuelana põe as questões nestes termos: "Mesmo que, por hipótese, tudo mudasse para melhor, com o melhor governo possível, com as melhores pessoas nos postos de decisão, economicamente a recuperação até nem seria muito longa, uns cinco anos e poderia inverter-se a tendência atual. O país tem muitas potencialidades e riquezas, quer no solo quer no subsolo. Já do ponto de vista social e educativo, pode estar em causa, pelo menos, uma geração." E a resposta só pode ser uma: "Educação, educação, educação, mas como se pode ensinar a estômagos vazios?"

Numa visita a um dos bairros de lata de Caracas, onde vivem milhares de pessoas em condições sub-humanas, uma voluntária envolvida numa missão educativa, que prefere manter-se no anonimato, fala do muitíssimo que há para fazer, a vários níveis. O mais urgente é, de facto, o combate à fome, especialmente nos mais novos. "São já visíveis as consequências no desenvolvimento físico e mental. Muitas crianças ficam a dormir até tarde, pois pode significar menos uma refeição por dia. Aumenta, assim, o absentismo escolar." Muitas delas ficam, por vezes durante a noite, nas grandes filas dos supermercados, a aguardar vez para a compra de alimentos a custos controlados. Bens que podem vender por um valor várias vezes superior. Até o próprio lugar na fila pode significar um negócio.

Para os jovens, como não há empregos, especialmente para os menos qualificados, a delinquência, integrados ou não nos bandos organizados, a prostituição ou a emigração são os caminhos mais prováveis. "Com o núcleo familiar desfeito, a promiscuidade e as carências a vários níveis levam as jovens a engravidar cedo", diz a voluntária. Têm uma pequena ajuda estatal que, garante, "tem estimulado a gravidez na adolescência". Como a insegurança é o pão nosso de cada dia, algumas jovens envolvem-se emocionalmente com os líderes dos bandos, "dá estatuto social e prestígio ser a protegida de alguém que é olhado com medo". O abandono de filhos menores, que ficam sob os cuidados de familiares ou até de vizinhos, é também frequente. E repete-se o ciclo. Como nos dá a entender a voluntária que estava com um grupo de crianças, o futuro dessas crianças é fácil de imaginar.

OLP, as máscaras da morte

Um dos maiores traumas que ainda permanecem na memória coletiva são as operações de tropas especiais que entram nos bairros mais pobres e procedem às chamadas "limpezas". Começaram em junho de 2015 e durante ano e meio estiveram particularmente ativas. O plano foi apresentado pelo próprio presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

A OLP, a Operação de Libertação do Povo, tinha por objetivo combater a delinquência e a insegurança. Na prática, levou a morte a vários locais da Venezuela, não só nos cerros da capital, mas noutras cidades. Vários agentes bem equipados, fortemente armados e com máscaras negras (foram apresentadas por Maduro num programa televisivo, em cadeia nacional), entram pelos bairros à procura de alegados delinquentes. Somaram-se algumas centenas de mortes, nas respostas das forças especiais aos gangues organizados.

As críticas foram tantas e de vários setores, que o presidente foi obrigado a mudar o nome e introduziu o "H", Organização Humanista de Libertação do Povo. No percurso por um dos bairros de lata da capital, uma das religiosas que lá trabalham e espalham a fé mostra uma das barracas onde os agentes entraram, perguntaram se era determinada pessoa e dispararam a matar. "Desfiguraram o rosto com um tiro." Sem mais. A religiosa não esconde a indignação ao dizer que, "apesar das escolhas erradas feitas por esses jovens, ninguém tem o direito de tirar a vida a quem quer que seja". Há suspeitas de ajuste de contas, vinganças pessoais.

Vários organismos, nacionais e internacionais, falam de atentados aos direitos humanos em nome do combate à criminalidade. Há muitos testemunhos que dão conta da extrema violência das "limpezas" feitas. Estas suspeitas de crimes nunca foram investigadas.

Texto originalmente publicado no Diário de Notícias da Madeira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.