Aconteceu em 1957 - Isabel II de visita a Portugal

Por uma semana não se falou de mais nada por cá senão da visita de Isabel II a Portugal. Recebida pelo marechal Craveiro Lopes, então Presidente, a "jovem soberana" coroada apenas cinco anos antes vinha reafirmar "a mais velha aliança do mundo", conforme escrevia o DN, no dia 18 de fevereiro de 1957.

A visita da rainha era motivo de festa e os portugueses mostravam-se à altura de receber a convidada real e o marido, Philip. No seu périplo pelo país, que a levou de Lisboa (onde chegou a assistir a um espetáculo no São Carlos) a Setúbal, à Nazaré, a Alcobaça, à Batalha e ao Porto, Isabel II foi acolhida com grande entusiasmo e calor.

Por onde quer que passasse a rainha, havia uma multidão para saudá-la, escrevia o Diário de Notícias nesse arranque de visita oficial, confirmando o desígnio que juntava Portugal e Reino Unido na vontade de "manter estreitos vínculos de solidariedade e colaboração na tarefa civilizadora".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.