Como fugir ao calor na Amareleja? Trabalhar de madrugada e comer gaspacho

Na terra que em 2001 registou o recorde de temperatura em Portugal (47,3 graus), há muito que se conhecem os truques para evitar o tempo quente. Chapéus de palha e dormir a sesta são apenas alguns.

Agostinho Balola enfrenta o calor em cima do andaime e de trincha em riste. Está de "peito aberto" para mais um dia de trabalho que há de terminar lá para a hora de almoço. Nem ele, que se diz "imune ao calor", arrisca continuar a pintar a fachada do prédio à mercê dos tórridos 44,7 graus que se registaram durante a tarde na Amareleja.

"Tenho 73 anos. Sou o pintor mais velho no ativo no Baixo Alentejo e ainda salto de paraquedas. Se fosse preciso aguentar o calor ficava no andaime", afiança, para logo admitir que "as tintas se deterioram e o trabalho sai aldrabado". Assim, vai aproveitar a tarde para descansar à sombra, relatava logo pelas 10.00 desta manhã - quando ainda soprava uma ligeira mas refrescante brisa pelas ruas da Amareleja - depois de ter pegado ao serviço pelas 06.00.

"Estava fresquinho e deu para avançar com a pintura nestas quatro horas", dizia, enquanto o presidente da Junta, Joaquim Mário, partilha da opinião e também por isso tem implementado o horário de verão entre as 06.00 e as 13.00. "Para lá dessa hora, ninguém rende", admite, numa altura em que o termómetro da viatura do DN já marcava 36 graus, enquanto o da Farmácia Portugal - permanentemente exposto ao sol - chegava a uns suspeitos 42.

"Temos sempre de tirar seis a oito graus ao termómetro da farmácia", comentava Amélia Santos, enquanto ajeitava o lenço na cabeça e puxava as mangas da camisa azul-escura até aos pulsos. "Quanto mais tapados estivermos e mais escura for a roupa menos calor temos nestes dias", explicava, abrindo uma fresta da porta do quintal para gritar lá para dentro: "Nunca esquecer de beber água. Ouviu, pai?" O idoso respondia que "sim", deixando-se ver ao lado de um alguidar, onde estava a ser preparado um generoso gaspacho para o almoço.

E "há lá coisa melhor para comer nestes dias quentes", questionava Francisco Galhão, do alto dos seus 93 anos. Era um dos amigos instalados à sombra na Praça General Humberto Delgado, praticamente desde que Rosa Vale abriu o café, pelas 07.00 horas, permitindo que as cadeiras cruzem a rua para dar de sentar ao grupo.

A dificuldade em dormir devido ao calor levou-os a acordarem mais cedo do que o habitual, aproveitando a extensa manhã para centrarem o "debate" em torno da diferença entre o calor de hoje e o de verões anteriores. "O problema é que este chegou de repente. A Amareleja costuma ter estas temperaturas em julho", sublinhava Domingos Francisco.

Por seu lado, Francisco Carrilho, o mais novo do grupo, com 58 anos e desempregado do setor agrícola, recordava a mais tórrida tarde na Amareleja, em que os termómetros subiram até aos 47,3 graus, um recorde nacional registado em 2001. "Nunca esteve tanto calor. Aí é que se passou um mau bocado, mas entrámos na história do país", ironizava.

Vila fantasma na hora da sesta

Por detrás do balcão do café, Rosa Vale confirma o inevitável gaspacho para o almoço, mas revela um petisco do mais simples que se conhece, mas que reúne muitos apreciadores à volta de um copo de vinho: "um tomate partido ao meio e temperado com sal é um sucesso. Precisamente porque é muito fresco", testemunha Rosa, que também anuncia caracóis e gambas. "São para a noite. A esplanada fica na rua até haver gente, porque ninguém quer ir para casa. Ontem fechei à 01.00 e às 07.00 já aqui estava", dizia.

A relação com os clientes é tão próxima que qualquer um está autorizado a abrir a porta da arca para retirar uma cerveja gelada. "É à confiança e nem preciso olhar, que ninguém abala sem pagar", refere a dona do café com menos de 20 metros quadrados onde o ar condicionado é suficiente para refrescar o estabelecimento, mesmo de porta aberta. Mas nem isso impede os clientes de se irem chegando para as suas casas à medida que se aproxima a hora de almoço.

"Temos o hábito da sesta. Ajuda a acalmar o calor", diz António Martinho já depois do meio-dia, quando as ruas vão começando a ficar despovoadas. "Daqui a pouco parecemos uma vila fantasma", acrescenta.

Ainda há tempo para uma visita à drogaria de José Torres. Está à vista que os chapéus de palha em exposição logo à entrada ganham procura por estes dias. "São a melhor proteção contra o calor. E quanto mais larga for a aba, melhor", diz, confirmando que chapéus de palha há muitos e para todos os gostos. "Para homem é o modelo tipicamente alentejano, mas para a senhora há com laço, com fita, com fita fina ou copa direita", refere.

Perto das 13.00 o calor aperta mais. A brisa que a meio da manhã se fazia sentir parou. Diz-se por aqui que "não mexe uma palha". A hora é de recolher. Portas e janelas estão agora fechadas a sete chaves para impedirem o calor de entrar e acentua-se o som do canto das cigarras que vem lá do descampado que circunda a Amareleja. Agora o termómetro da farmácia já marca 48 graus, mas volta-se a sugerir que lhe tiremos uns seis graus de desconto. Ficamos pelos 42.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.