Um monstro dos invernos futuros

(Sobre os 200 anos da publicação do livro Frankenstein, ou o Prometeu Moderno, de Mary Shelley)

Há poucos meses passou nas salas de cinema portuguesas o filme Mary Shelley, da realizadora saudita Haifaa Al-Mansour, em que a atriz Elle Fanning representa o papel da jovem e luminosa escritora de 18 anos, que no recolhimento do lago Genebra, no verão de 1816, escreveu o livro que foi publicado, anonimamente, há 200 anos, com o título Frankenstein, ou o Prometeu Moderno. Filha de Mary Wollestonecraft, a pioneira de todos os feminismos, morta escassos dias após dar à luz a futura escritora, e de William Godwin, um filósofo quase libertário, Mary Shelley, casada com o poeta Percy Shelley, aceitara o convite de Lord Byron para o que prometia ser um verão tranquilo. O filme procura desenvolver uma interessante leitura biográfica e psicológica da génese do livro, que faz hoje parte da mitologia universal. Contudo, gostaria de chamar a atenção para outros dois aspetos que me parecem importantes. Um de contexto e outro de conteúdo.

O verão suíço revelar-se-ia uma desilusão. Aliás seria uma inesperada tragédia em todo o hemisfério norte. Frio, chuva, neve. Os britânicos chamaram a 1816 "o ano sem verão". Mary Shelley foi forçada a trocar agradáveis passeios junto ao lago por dias inteiros num ambiente doméstico propício à escrita. Mary Shelley desconhecia as razões que levaram ao desaparecimento do inverno de 1816. No ano anterior, em Tambora, na Indonésia, ocorrera a mais poderosa explosão vulcânica desde que há registos históricos. Milhões de toneladas de cinza e poeiras ficaram durante muitos meses em suspensão na tropopausa. A temperatura mundial média desceu bruscamente 1º C. As colheitas de trigo do Canadá ficaram quase reduzidas a zero. A descida da produção agrícola atingiria muitos outros países, com motins causados pela fome na Grã-Bretanha, na França e a própria Confederação Helvética mergulhada num estado de emergência alimentar. Mary Shelley testemunhara, sem o saber, os efeitos de uma transformação climática abrupta que só pode ocorrer, tanto quanto sabemos hoje, por três razões: a) grandes explosões vulcânicas; b) deflagração de armas nucleares de grande potência; c) choque de meteoritos de grandes dimensões com a superfície terrestre.

O que Mary Shelley também desconhecia era a importância simbólica que a sua novela viria a conquistar. O drama do Dr. Frankenstein, e da sua horrenda, solitária e monstruosa criação, capturaria o destino fáustico profundo da nossa civilização. Com efeito, depois de quatro séculos a revolver o mundo físico, a exterminar espécies, a devastar florestas, a semear desertos, a desentranhar minerais, a poluir rios e oceanos, a humanidade parecia condenada - esse foi o insight profético que Mary Shelley teve mais de cem anos antes do romance Admirável Mundo Novo (1932), de Aldous Huxley (1894-1963) - a procurar esgravatar dentro de si própria. A nova fronteira tecnocientífica levaria mais tarde ou mais cedo, à aventura de criar uma nova humanidade. Não um novo ideal de humanidade, mas um novo ser humano, de carne e osso, entre outros materiais...Para trás ficaram, irremediavelmente, os tempos da eugenia pueril, da ginástica e dos banhos frios, ou as crenças na conversão ética da humanidade. No mercado do futuro pós-humano que se avizinha, em vez do imperativo categórico, ficaremos inteligentes e potentes através de próteses e subtis manipulações genéticas. A longa solidão do filho de Frankenstein parece ter os dias contados.

Professor universitário

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.