Um monstro dos invernos futuros

(Sobre os 200 anos da publicação do livro Frankenstein, ou o Prometeu Moderno, de Mary Shelley)

Há poucos meses passou nas salas de cinema portuguesas o filme Mary Shelley, da realizadora saudita Haifaa Al-Mansour, em que a atriz Elle Fanning representa o papel da jovem e luminosa escritora de 18 anos, que no recolhimento do lago Genebra, no verão de 1816, escreveu o livro que foi publicado, anonimamente, há 200 anos, com o título Frankenstein, ou o Prometeu Moderno. Filha de Mary Wollestonecraft, a pioneira de todos os feminismos, morta escassos dias após dar à luz a futura escritora, e de William Godwin, um filósofo quase libertário, Mary Shelley, casada com o poeta Percy Shelley, aceitara o convite de Lord Byron para o que prometia ser um verão tranquilo. O filme procura desenvolver uma interessante leitura biográfica e psicológica da génese do livro, que faz hoje parte da mitologia universal. Contudo, gostaria de chamar a atenção para outros dois aspetos que me parecem importantes. Um de contexto e outro de conteúdo.

O verão suíço revelar-se-ia uma desilusão. Aliás seria uma inesperada tragédia em todo o hemisfério norte. Frio, chuva, neve. Os britânicos chamaram a 1816 "o ano sem verão". Mary Shelley foi forçada a trocar agradáveis passeios junto ao lago por dias inteiros num ambiente doméstico propício à escrita. Mary Shelley desconhecia as razões que levaram ao desaparecimento do inverno de 1816. No ano anterior, em Tambora, na Indonésia, ocorrera a mais poderosa explosão vulcânica desde que há registos históricos. Milhões de toneladas de cinza e poeiras ficaram durante muitos meses em suspensão na tropopausa. A temperatura mundial média desceu bruscamente 1º C. As colheitas de trigo do Canadá ficaram quase reduzidas a zero. A descida da produção agrícola atingiria muitos outros países, com motins causados pela fome na Grã-Bretanha, na França e a própria Confederação Helvética mergulhada num estado de emergência alimentar. Mary Shelley testemunhara, sem o saber, os efeitos de uma transformação climática abrupta que só pode ocorrer, tanto quanto sabemos hoje, por três razões: a) grandes explosões vulcânicas; b) deflagração de armas nucleares de grande potência; c) choque de meteoritos de grandes dimensões com a superfície terrestre.

O que Mary Shelley também desconhecia era a importância simbólica que a sua novela viria a conquistar. O drama do Dr. Frankenstein, e da sua horrenda, solitária e monstruosa criação, capturaria o destino fáustico profundo da nossa civilização. Com efeito, depois de quatro séculos a revolver o mundo físico, a exterminar espécies, a devastar florestas, a semear desertos, a desentranhar minerais, a poluir rios e oceanos, a humanidade parecia condenada - esse foi o insight profético que Mary Shelley teve mais de cem anos antes do romance Admirável Mundo Novo (1932), de Aldous Huxley (1894-1963) - a procurar esgravatar dentro de si própria. A nova fronteira tecnocientífica levaria mais tarde ou mais cedo, à aventura de criar uma nova humanidade. Não um novo ideal de humanidade, mas um novo ser humano, de carne e osso, entre outros materiais...Para trás ficaram, irremediavelmente, os tempos da eugenia pueril, da ginástica e dos banhos frios, ou as crenças na conversão ética da humanidade. No mercado do futuro pós-humano que se avizinha, em vez do imperativo categórico, ficaremos inteligentes e potentes através de próteses e subtis manipulações genéticas. A longa solidão do filho de Frankenstein parece ter os dias contados.

Professor universitário

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.