Direita precisa-se

Cabe ao PSD liderar a alternativa à atual solução governativa; esse papel conquistou-o pela sua história e principalmente pela sua forte implantação na sociedade.

Reconhece-se em geral que o sucesso do PSD se fez pela capacidade de representar um vasto conjunto de valores e interesses, dos pequenos aos grandes empresários, dos trabalhadores do setor privado aos profissionais liberais, pessoas que não dependem diretamente do Estado, pagam impostos, têm a ambição de se promoverem pelo trabalho e pelo esforço, pessoas sem filiação às velhas ideologias, que gostam de líderes com autoridade, de que são exemplos Sá Carneiro e Cavaco Silva. Uma parte do eleitorado potencial do PSD pode igualmente votar no PS e a oscilação deste eleitorado do centro é decisiva para a vitória de qualquer deles. E estes eleitores são em princípio hostis aos partidos da extrema-esquerda, dificilmente teriam votado PS nas últimas eleições, caso tivessem antecipado a opção de António Costa.

O PSD pôde conquistar maiorias absolutas sozinho ou liderando coligações de direita por ser um partido sem ideologia marcada, afirmando-se social-democrata mas acreditando que o progresso económico está nas iniciativas das pessoas, no mérito e no trabalho dos empreendedores. Também por ser um partido de poder e não de contestação, com um discurso de confiança no futuro. É certo que o partido passou por várias crises, que foi superando com sucesso. Algumas dessas crises serviram para clarificar o rumo, como sucedeu com a debandada de militantes notáveis em 1978, e com a ascensão de Cavaco Silva em 1985. Essas crises afetaram mais o aparelho do partido do que os seus eleitores.

O PSD está a passar de novo por uma crise e parece oportuno questionar se vai superá-la como nas anteriores ou se esta crise é mais profunda e vamos assistir a uma recomposição da direita, como está a suceder em maior ou menor escala em vários países europeus. A dissidência de Pedro Santana Lopes nem é o sinal mais preocupante dessa crise. Pode roubar alguns votos ao partido, penso que poucos, mas a sua saída não desestabiliza o PSD.

Mais grave é a luta interna, entre, simplificando, o PSD de Rui Rio, o PSD de Passos Coelho e o PSD sem memória a roçar o populismo.

Rui Rio não tem uma tarefa fácil. Parecia querer um partido de poder, responsável, com um projeto estruturado de alternativa à esquerda, que conciliasse as conquistas do chamado Estado social com crescimento económico mais forte baseado na iniciativa privada. Mas o tempo vai decorrendo e começa a não se perceber qual o rumo da sua liderança, nem se aposta numa verdadeira alternativa ao atual governo.

Depois há o PSD que se ouve diariamente, que quer lá saber de qualquer projeto. Vive obcecado com a falta de oposição ao governo, a propósito de tudo o que este faça ou não faça, mesmo nas decisões que o cidadão comum ou as confederações patronais achem acertadas. Se Rui Rio não protesta, não está a fazer oposição, logo não lidera. E ainda há o PSD cujo projeto para a Justiça é a adoção da delação premiada e a inversão do ónus da prova, contrariando toda a herança do partido na defesa do Estado de direito.

Portugal bem precisa de uma direita moderna, liberal, inovadora, construtiva, geradora de esperança. Foi esse o discurso de Macron, com o sucesso que se conhece.

Não precisamos de mais forças de protesto. Mas onde está essa direita?

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...