Premium Bem onde não estamos

- Próximo!

A fila era longa mas progrediu com rapidez, eu aproximei-me do rapaz da caixa com um pacote de leite, um quilo de maçãs e uma embalagem de cápsulas de café.

- São sete euros e vinte, se faz favor... Amanhã vais lá?

- Desculpe? Lá onde?

- Não tem mais pequeno?... Ahah, vamos partir tudo!

- Vamos partir o quê? Tenho 20 cêntimos, dá-lhe jeito?

- Obrigado... Ya, vou levar a Mizé e a Lecas... vais curti-las bué...

A perspetiva de uma noite diferente começava a animar-me o espírito quando reparei que o rapaz tinha um microfone discreto que lhe descia da orelha para o canto da boca. Recolhi o troco, agradeci e desejei-lhe um bom fim de semana com a Lecas e a Mizé.

É cada vez mais difícil saber com quem falamos ou captarmos a atenção dos nossos interlocutores. A meio de uma confidência dolorosa, envolvendo um episódio de infância na sala da catequese, damos pelo nosso amigo a varrer com o dedo as pretendentes do Tinder; nas aulas já apanhei alunos a trocar mensagens pelo telemóvel, a comprar vestidos leves para o Verão e até a matar zombies numa Lisboa pós-apocalíptica; no trânsito tornou-se impossível lançar eficazmente um insulto sem que pensem que estamos a contribuir para o Fórum TSF através do mãos-livres.

A realidade prosaica deixou de interessar-nos, há sempre qualquer coisa mais cativante noutra dimensão qualquer - um vídeo de gatinhos, uma invasão de zombies ou uma conversa com a Mizé. Eu gosto do Minipreço da minha rua e hei de lá voltar, talvez da próxima vez leve uma bata branca coberta de sangue e uma cabeleira de palhaço, a ver se o rapaz da caixa se consegue interessar.

Escritor

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.