Sindicatos e empresas acordam aumento de 135 euros para seguranças

Aumento é para ser aplicado entre 2019 e 2020 e abrange mais de 35 mil vigilantes. Objetivo: revitalizar o setor e combater a concorrência desleal.

Os sindicatos que representam os trabalhadores da segurança privada e a Associação de Empresas de Segurança (AES) assinaram um acordo de princípios que prevê um aumento de 135 euros (quase 20%) no salário base dos vigilantes a ser feito entre 2019 e 2020. Empresas e representantes dos trabalhadores falam em acordo histórico.

O objetivo é que este acordo de princípios (que será ainda apresentado e sujeito à aprovação dos trabalhadores) seja refletido no contrato coletivo de trabalho do setor, permitindo que a remuneração base dos vigilantes avance dos atuais 661,32 euros para os 796,18 euros. Mas não só. Pretende-se ainda avançar com um conjunto de medidas que ambas as partes consideram imprescindíveis para a revitalização do setor e para criar condições de retenção e recrutamento de profissionais.

O setor da segurança abrange atualmente mais de 35 mil vigilantes e acredita-se que o novo CCT poderá contribuir para combater a concorrência desleal que, segundo afirma a AES, lesará o Estado em qualquer coisa como 30 milhões de euros por ano em contribuições para a Segurança Social e impostos que ficam por pagar.

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.