Aconteceu em 1962 - O estudante negro foi admitido na universidade

A entrada de James Meredith na Universidade do Mississípi provocava um verdadeiro motim. Seria o primeiro afro-americano a consegui-lo.

Mississípi​​​​​​, 1962: James Meredith, afro-americano, entrava na universidade e provocava uma revolta que faria três mortos, entre os quais o enviado especial da France-Presse, Paul Guinard. "A multidão enfurecida atacou as forças federais que guardavam a universidade", relatava o DN neste dia, contando que "automóveis foram incendiados, tiros foram disparados e o local parecia um cenário de verdadeira guerra civil".

A 1 de outubro de 1962 e depois de ver por duas vezes recusada a matrícula, Meredith - que já servira durante dez anos na Força Aérea americana - tornou-se o primeiro estudante negro daquela universidade, para o que teve de recorrer à justiça federal. Escoltado por agentes federais, James Meredith entrou na instituição e estalou um verdadeiro motim.

"A crise racial no Mississípi atingia assim o auge", apesar dos apelos do presidente Kennedy à nação, quando confirmara que a sentença do tribunal federal respeitante ao caso Meredith seria executada, mantendo a esperança de que o povo não ofereceria resistência à matrícula simbólica do ativista negro.

"Logo que a notícia correu, os manifestantes, na sua maioria estudantes, usaram de toda a qualidade de meios para assediarem os novos ocupantes da universidade", relatava o DN, especificando que "um grupo de soldados negros atraiu particularmente a cólera dos manifestantes".

O passo de Meredith foi um dos mais emblemáticos momentos na história da luta dos afro-americanos por direitos iguais aos dos restantes cidadãos.

Exclusivos