PS põe urgência no processo de descentralização

Deputados socialistas iniciam hoje no Alentejo dois dias de jornadas parlamentares. Partido quer dar prioridade ao reforço das competências autárquicas

Acabar de vez com os adiamentos. Fechar todo o processo legislativo de reforço das competências das autarquias locais nas próximas semanas, antes do encerramento do Parlamento para as férias do verão.

Esta é uma das principais mensagens que deverá sair das jornadas parlamentares que o PS vai iniciar hoje no Alentejo (Beja e Évora). A pressão - essencialmente dirigida ao PSD, com quem o PS tem um acordo na matéria - foi assumida pelo líder da bancada do PS, Carlos César, ao antecipar aos jornalistas esta iniciativa. António Costa irá encerrar a reunião, terça-feira.

"Neste momento está em causa concretizar um processo de descentralização, que é essencialmente dirigido ao reforço das competências municipais. Em todo o caso, creio que podem existir condições para que, nesta sessão legislativa, possam ficar aprovados documentos estruturantes dessa reforma. Se tal acontecer, será muito significativo e importante", afirmou.

Segundo acrescentou, as jornadas parlamentares "enfatizarão a questão da descentralização para a resolução dos problemas do país, através na aposta na gestão de proximidade". Porque "sem uma gestão de proximidade, que maximize os recursos locais e regionais, que atenda ao investimento que realmente cria valor, a par da valorização dos recursos públicos nessas áreas, dificilmente equilibraremos do ponto de vista demográfico a estrutura do nosso país."

Fora das prioridades do partido está, no entanto, a questão da regionalização. "Creio que o país ganharia com outra dimensão de reforma das competências das administrações do Estado, mas considero um progresso muito importante aquele que agora se faz no sentido do reforço das competências municipais. Defendo que haja uma gradualidade em todo este processo de descentralizar e nas outras medidas de desconcentração já decididas pelo Governo".

O grupo parlamentar do PS tem procurado centrar as suas atenções nas problemáticas ligadas ao desenvolvimento do interior, ou de regiões periféricas, casos dos Açores, Guarda, Castelo Branco, Vila Real ou Bragança.

Divididos em grupos, os deputados do PS farão várias visitas nos distritos de Évora e Beja - mas o centro da iniciativa será o Alqueva (e César até recordou que o arranque final que levou à conclusão da barragem foi num governo do PS, com António Guterres à frente e João Cravinho a ministro das Obras Públicas).

"É hoje um empreendimento que permite uma distribuição de água por vários distritos, numa extensão superior a 10 mil quilómetros quadrados. Houve a consciência de que este investimento responderia a problemas ainda atuais como a seca, a desertificação e os problemas de desequilíbrio provocados por fatores climáticos", afirmou o chefe da bancada socialista.

Como explicação para a escolha de Beja e Évora, o dirigente advogou que, desde o início da legislatura, a prioridade dos socialistas neste tipo de iniciativas políticas foi sempre o interior do país. "O grupo parlamentar do PS tem procurado centrar as suas atenções nas problemáticas ligadas ao desenvolvimento do interior, ou de regiões periféricas, casos dos Açores, Guarda, Castelo Branco, Vila Real ou Bragança."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.