Premium Ingrid defende acordo de paz dez anos após ser resgatada às FARC

Passou mais de seis anos como refém das FARC, mas nas últimas presidenciais apoiou o mesmo candidato que a ex-guerrilha colombiana. A viver em França, dedica-se à defesa dos Direitos Humanos e é rosto habitual nos encontros da dissidência iraniana.

"Num sequestro, ao final de um certo tempo, já nada há a dizer", contava a franco-colombiana Ingrid Betancourt poucos dias após ter sido resgatada das mãos das FARC, lembrando o silêncio dos reféns nos acampamentos da guerrilha.

Dez anos depois de ter recuperado a liberdade, a ex-candidata presidencial, com 56 anos, usa a sua voz na defesa do processo de paz do seu país natal, onde já não vive, mas também dos Direitos Humanos em todo o mundo, em especial no apoio à dissidência iraniana.

Ingrid Betancourt era candidata dos Verdes às presidenciais colombianas quando, a 23 de fevereiro de 2002, a caminho de San Vicente del Caguán, foi sequestrada pela guerrilha das FARC, junto com a assessora Clara Rojas.

Passariam 2323 dias até ser resgatada pelo exército colombiano, a 2 de julho de 2008. Quase seis meses antes, as FARC tinham libertado Rojas, que tivera um filho com um guerrilheiro durante o seu tempo em cativeiro.

Em lados opostos

Na segunda volta das presidenciais colombianas, no passado dia 17 de junho, as duas antigas amigas que ficaram separadas durante o cativeiro e acabaram por se afastar, estiveram em lados opostos.

Ingrid Betancourt viajou para a Colômbia para apoiar o candidato da esquerda, Gustavo Petro, porque não queria pôr em perigo os acordos de paz. Também as FARC, transformadas em partido político, apoiaram Petro, o que valeu muitas críticas à franco-colombiana (tem a nacionalidade francesa através do casamento, tendo-se divorciado após a libertação).

Já Clara Rojas, deputada eleita pelo Partido Liberal Colombiano para o período 2014-2018, apoiou o adversário, Iván Duque (delfim do ex-presidente Álvaro Uribe, em cujo mandato foi libertada). Duque ganhou com 54% dos votos.

"Parece-me que Iván Duque é um grande candidato, mas aqui há duas visões de país que estão em disputa. Uma visão de país que não acredita na paz, que quer alcançar pela força o que não se conseguiu militarmente, e essa é a que podia ter Iván Duque", disse Betancourt quando anunciou o apoio a Petro.

A ex-candidata presidencial admite que são necessárias mudanças ao acordo assinado em 2016, mas que isso deve acontecer num marco de "diálogo e respeito frente ao que já foi feito". Defende que as mudanças "não podem servir para alimentar o ódio e a vingança", referiu.

Em defesa da paz na Colômbia

Este fim de semana, Ingrid Betancourt reiterou que não há "acordo de paz perfeito". Contudo, apelou à defesa do existente e à sua consolidação para que não haja impunidade. "Não à custa de destruí-lo e que se acaba a paz e voltemos à guerra, que é no que muitos estão a apostar", disse a antiga refém à agência EFE.

As declarações foram feitas à margem de uma manifestação de dissidentes iranianos, uma causa que tem apoiado em inúmeras ocasiões "por uma questão de princípios", visto que "são opositores a uma ditadura muito cruel e misógina".

Desde a libertação, Ingrid vive em França, mas viaja pelo mundo em palestras e conferências. Escreveu um livro, editado em português pela Objetiva em 2011, intitulado "Até o Silêncio Tem Um Fim". Em 2008 recebeu o prémio Príncipe das Astúrias da Concórdia, tendo também recebido a Legião de Honra francesa.

"Sem derramar uma gota de sangue"

Há dez anos, aproveitando a falta de comunicação na guerrilha, o exército colombiano conseguiu que as FARC reunissem 15 reféns numa mesma zona, alegando que o líder Alfonso Cano queria que fossem transportados para o sul da Colômbia. Os guerrilheiros foram informados que um helicóptero de uma organização não-governamental iria efetuar o transporte e que César, que os mantinha cativos, devia acompanhá-los. O helicóptero era na realidade do exército. Entre os reféns, além de Betancourt, havia três norte-americanos (um deles o lusodescendente Marc Gonsalvez) e 11 militares.

"Sem derramar uma gota de sangue conseguimos uma das operações militares mais bem-sucedidas e engenhosas da história recente", escreveu o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, no Twitter. Há dez anos, o então ministro da Defesa, falava que a operação ficaria na história pela sua "audácia e eficácia".

Na altura, Santos era o rosto da política de mão dura do governo do presidente Álvaro Uribe contra as FARC. Mas dois anos depois chegaria ao poder e acabaria por dar uma volta de 180 graus na política do antecessor, abrindo o diálogo com a guerrilha. O acordo de paz valeu-lhe o Nobel em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.