Campeão regressa ao trabalho ainda com muitas indefinições

Lado direito da defesa já rendeu 40 milhões de euros, mas serão os jogadores que estão a terminar contrato (Herrera, Brahimi, por exemplo) a ditar leis no que toca à composição do plantel

Arranca hoje, segunda-feira, a pré-época do FC Porto, que vai tentar defender o título nacional conquistado na temporada que agora findou. O objetivo é claro e está bem definido: alcançar o bicampeonato sob a batuta de Sérgio Conceição, uma aposta de Pinto da Costa coroada de êxito e que fez com que o presidente portista renovasse o contrato do treinador numa altura em que Lazio e Inter de Milão tentavam persuadir o treinador a mudar de ares.

Entre saídas e entradas destaque para o lado direito da defesa. Saíram Diogo Dalot e Ricardo, que deixaram nos cofres um valor acima dos 40 milhões de euros, e entraram o brasileiro João Pedro (Palmeiras) e o suíço Saidy Janko (Saint-Étienne) - a extensão do contrato de Maxi Pereira será tratada após o Mundial.

No que diz respeito a mais reforços realce para o facto de o FC Porto ter acionado as opções de compra do central venezuelano Osorio (Tondela) e o médio Paulinho (Portimonense) que já se encontravam no clube na condição de emprestados - para já não falar da renovação de Casillas.

A composição do plantel andará muito à volta do que vai acontecer com futebolistas que estão no último ano de contrato e que o FC Porto precisará de negociar, neste defeso, ou então de renovar. Herrera, André André, Brahimi, Gonçalo Paciência e novamente Casillas são futebolistas que veem o seu vínculo expirar em junho de 2019. E todos eles são importantes como indiscutíveis ou como backup às opções iniciais. E, perante este cenário, é absolutamente crucial para as finanças da SAD portista que não surja mais nenhum caso como aquele que Marcano protagonizou neste defeso, visto que saiu para a Roma em final de contrato depois de o FC Porto o ter contratado em junho de 2014 a troco de 2,65 milhões de euros.

Será neste labirinto que o FC Porto terá de construir um plantel capaz de lutar pelo bicampeonato e de ir o mais longe possível na Liga dos Campeões em ano de incremento monetário na prova rainha da UEFA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.