Campeão regressa ao trabalho ainda com muitas indefinições

Lado direito da defesa já rendeu 40 milhões de euros, mas serão os jogadores que estão a terminar contrato (Herrera, Brahimi, por exemplo) a ditar leis no que toca à composição do plantel

Arranca hoje, segunda-feira, a pré-época do FC Porto, que vai tentar defender o título nacional conquistado na temporada que agora findou. O objetivo é claro e está bem definido: alcançar o bicampeonato sob a batuta de Sérgio Conceição, uma aposta de Pinto da Costa coroada de êxito e que fez com que o presidente portista renovasse o contrato do treinador numa altura em que Lazio e Inter de Milão tentavam persuadir o treinador a mudar de ares.

Entre saídas e entradas destaque para o lado direito da defesa. Saíram Diogo Dalot e Ricardo, que deixaram nos cofres um valor acima dos 40 milhões de euros, e entraram o brasileiro João Pedro (Palmeiras) e o suíço Saidy Janko (Saint-Étienne) - a extensão do contrato de Maxi Pereira será tratada após o Mundial.

No que diz respeito a mais reforços realce para o facto de o FC Porto ter acionado as opções de compra do central venezuelano Osorio (Tondela) e o médio Paulinho (Portimonense) que já se encontravam no clube na condição de emprestados - para já não falar da renovação de Casillas.

A composição do plantel andará muito à volta do que vai acontecer com futebolistas que estão no último ano de contrato e que o FC Porto precisará de negociar, neste defeso, ou então de renovar. Herrera, André André, Brahimi, Gonçalo Paciência e novamente Casillas são futebolistas que veem o seu vínculo expirar em junho de 2019. E todos eles são importantes como indiscutíveis ou como backup às opções iniciais. E, perante este cenário, é absolutamente crucial para as finanças da SAD portista que não surja mais nenhum caso como aquele que Marcano protagonizou neste defeso, visto que saiu para a Roma em final de contrato depois de o FC Porto o ter contratado em junho de 2014 a troco de 2,65 milhões de euros.

Será neste labirinto que o FC Porto terá de construir um plantel capaz de lutar pelo bicampeonato e de ir o mais longe possível na Liga dos Campeões em ano de incremento monetário na prova rainha da UEFA.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?