Os trunfos de CR7 para uma Bola de Ouro improvável

Ronaldo tem como argumentos muitos golos e a Champions para ganhar pela sexta vez o prémio da revista France Football. Mas os campeões do mundo Griezmann, Mbappé e o croata Modric são concorrentes de respeito.

Cristiano Ronaldo tem nesta segunda-feira a última oportunidade de conquistar um prémio individual em 2018. Amanhã será anunciado em Paris o vencedor da Bola de Ouro, o prémio com maior simbolismo atribuído há 62 anos pela revista francesa France Football, que distingue anualmente o melhor futebolista do mundo.

Nos últimos dez anos, o domínio absoluto foi de Ronaldo e de Messi, que arrecadaram o prémio cinco vezes cada um - ninguém tem mais do que eles -, mas agora existem sinais de que esta bipolarização vai terminar, pois a estrela argentina do Barcelona, apesar de ser um dos 30 nomeados, não é apontada sequer aos três finalistas e o internacional português da Juventus enfrenta a concorrência de Luka Modric, que tem arrecadado todos os prémios individuais deste ano graças ao excelente Mundial que realizou ao serviço da Croácia. Contudo, também os campeões do mundo pela seleção francesa Raphael Varane, Kylian Mbappé e Antoine Griezmann são fortes concorrentes ao prémio.

A favor de Cristiano Ronaldo está a conquista pela terceira vez consecutiva da Liga dos Campeões, ao serviço do Real Madrid, numa prova em que foi o melhor marcador (15 golos). Além disso, é preciso ter em conta a quantidade de golos que marcou no ano civil de 2018, até 9 de novembro, dia em que encerrou a votação para a Bola de Ouro. CR7 totalizou 42 remates certeiros nos 43 jogos que disputou pelos merengues (28 golos em 22 partidas), mas também pela Juventus (8 em 14 jogos) e pela seleção nacional (seis em sete partidas).

Foi com base nestes números que Ronaldo afirmou numa entrevista à France Football, em outubro, que merecia conquistar a sexta Bola de Ouro, apesar de ter desabafado que nesta altura da sua carreira este prémio "não é uma obsessão". "Eu sei que sou um dos melhores jogadores da história. Claro que quero ganhar a sexta Bola de Ouro, estaria a mentir se dissesse o contrário, e trabalho para isso. Tal como trabalho para marcar golos e ganhar jogos sem que isso seja uma obsessão. Por tudo isso, acho que mereço a Bola de Ouro."

O romeno Laszlo Bölöni, treinador que lançou CR7 no Sporting, está convencido de que "este ano Ronaldo talvez não ganhe" o prémio, sobretudo porque "falhou em alguns momentos na seleção portuguesa", numa clara referência ao Mundial 2018, no qual Portugal não foi além dos oitavos-de-final. Uma ideia que na opinião de Maximiliano Allegri, treinador da Juventus, não pode ser tida em conta. "Cristiano fez tudo para merecer a Bola de Ouro", disse há uma semana, numa conferência de imprensa.

Griezmann lidera armada francesa

A verdade é que nenhum dos principais candidatos tem uma folha de serviço tão impressionante como a de CR7 em termos estatísticos. Mbappé contabiliza 31 golos nos 53 desafios que realizou pelo Paris Saint-Germain e pela seleção francesa, mas apresenta a seu favor um currículo de títulos fantástico, com a conquista do Mundial 2018, Liga francesa, Taça da Liga e Taça de França.

Em termos de troféus conquistados, o defesa central Varane é quem tem o currículo mais invejável, pois celebrou o título mundial e a Champions no espaço de dois meses, embora nos 50 jogos que realizou tenha apenas marcado um golo, algo que não é de estranhar, pois trata-se de um defesa. Outro francês tido como forte candidato à vitória é Griezmann, jogador do Atlético de Madrid, que marcou 35 golos em 63 jogos durante o ano, tendo vencido a Liga Europa, o Mundial 2018 e a Supertaça Europeia. E é esta a aposta de Bölöni para este ano. "O Griezmann foi campeão do mundo e está em grande forma há dois ou três anos, por isso acho que será ele desta vez a ganhar este prémio", indicou o treinador romeno ao DN, deixando no entanto uma ressalva: "Este ano não, mas acredito que Ronaldo vai acabar por ganhar a sexta Bola de Ouro, pois está numa grande equipa como a Juventus que lhe irá permitir continuar no topo."

"Modric não resolve jogos"

Outro dos grandes candidatos à Bola de Ouro é Luka Modric, que tem como principais trunfos a conquista da Liga dos Campeões pelo Real Madrid e o excelente Campeonato do Mundo que realizou, no qual liderou a Croácia até à final, perdida com a França. O médio croata tem sido o grande dominador dos prémios atribuídos até este momento, pois foi o melhor jogador das provas da UEFA e do Mundial 2018, tendo também recebido o troféu The Best atribuído pela FIFA ao melhor futebolista do ano. Quanto a números, o médio croata apresenta apenas quatro golos em 51 partidas disputadas. Bölöni não se mostra muito entusiasmado com Modric. Apesar de reconhecer ao médio "uma boa época", recorda que se trata de "um jogador que nunca decide jogos".

Essa é, aliás, uma opinião partilhada por Joaquim Rita, o jornalista que vota por Portugal na atribuição da Bola de Ouro. "Fez um extraordinário Campeonato do Mundo, mas não se aproxima de Cristiano Ronaldo", afirmou ao DN o atual comentador da SIC Notícias.

Golos de Messi insuficientes

Entre os 30 nomeados está obviamente Messi, que é penalizado pelas más exibições no Campeonato do Mundo, onde a Argentina foi uma grande desilusão. Ainda assim, durante o ano de 2018, o jogador do Barcelona alcançou números impressionantes, com um total 42 golos marcados em 46 partidas, tendo ainda festejado dois títulos: a Liga espanhola e a Taça do Rei.

Além da estrela argentina, houve outro jogador que se destacou durante este ano, o egípcio Mohamed Salah, que assinou 34 golos em todas as competições, tendo a nível individual sido o melhor marcador da Premier League, contribuindo decisivamente para que, onze anos depois, o Liverpool regressasse a uma final da Liga dos Campeões, que acabou por perder para o Real Madrid de... Cristiano Ronaldo.

A Bola de Ouro da France Football é um prémio atribuído através da votação de 176 jornalistas de todo o mundo. Cada um elabora um top 5, em que atribui seis pontos àquele que acha que foi o melhor do ano, quatro pontos para o segundo melhor e assim sucessivamente.

O jornalista português que participa nesta votação é Joaquim Rita, que ao DN disse acreditar que, ao contrário dos outros prémios atribuídos neste ano, desta vez Ronaldo sairá vencedor e irá conquistar a sua sexta Bola de Ouro. "Acredito que poderá ganhar, afinal trata-se de um jogador que resolve jogos e campeonatos", referiu, mostrando-se convicto de que nos prémios anteriores "percebeu-se que havia uma engrenagem para o afastar". E é nesse sentido que recorda o facto de CR7 não ter sequer ganho o prémio Puskas da FIFA, destinado ao melhor golo do ano: "Foi quase pornográfico como o golo de Ronaldo à Juventus na Liga dos Campeões não foi vencedor."

Um prémio "mais honesto"

Joaquim Rita acredita que o prémio da France Football "é mais honesto por ser escolhido por jornalistas de todo o mundo", sublinhando que "os franceses têm também direito a um voto, como os restantes". "Nesse sentido, cada um dos votantes cozinha os seus cinco primeiros de acordo com o seu entendimento, até porque em tantos anos que voto para a Bola de Ouro nunca senti qualquer tipo de pressão tendo em conta o sentido do voto", sublinhou.

E é por isso que está convencido das possibilidades de Cristiano Ronaldo, apesar de admitir que "os jogadores campeões do mundo por França têm algum crédito. Mas não acredita que Modric possa vencer a sua primeira Bola de Ouro. O palpite de Joaquim Rita em relação a CR7 é corroborado por outras figuras do futebol. Na última semana, o insuspeito El Shaarawy, internacional italiano da Roma (rival da Juventus), atribuiu à estrela portuguesa os maiores créditos para chegar à sexta distinção: "Daria a Bola de Ouro a Ronaldo. Impressiona-me a continuidade que mostra ao longo da carreira. O que fez e o que continua a fazer apesar da idade é algo fantástico", disse numa entrevista ao jornal espanhol AS.

Ler mais

Exclusivos