Premium O ano em que Saramago esteve em Cabo Verde

Estava o embaixador Fernandes Fafe no exercício dessas funções quando Saramago visitou a cidade da Praia e depois Mindelo. Na realidade não foi só ele. Nesse tempo, um considerável número de escritores e outros artistas portugueses vieram até nós, dizia-se que por mérito do embaixador que muito se preocupava com o intercâmbio entre intelectuais dos dois países. Estou a lembrar-me da Isabel Barreno, da Maria Velho da Costa e de tantos outros, embora me lembre particularmente da pintora Graça Morais, com quem acabamos estabelecendo relações de grande amizade.

Fafe era um homem de letras culto, bem-humorado e de fácil convívio. Vinha muitas vezes a São Vicente e, certa vez, creio que por indicação do cônsul, procurou-me como advogado a favor de um português encrencado. Nesse tempo era cônsul de Portugal um engenheiro cabo-verdiano casado com uma portuguesa, mas que entretanto ficou doente, pelo que muito naturalmente a esposa passou a exercer as funções de cônsul e a assumir-se como consulesa. Ela e Fafe pareciam manter relações de muita cordialidade. Ela gostava de exprimir opiniões ousadas mas de que se arrependia imediatamente. E então exclamava, Ah, senhor embaixador, se calhar acabo de dizer uma grande asneira! E o embaixador, sorrindo bonacheirão, tranquilizava-a, Não, minha cara senhora, uma consulesa nunca diz uma grande asneira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".