Rio, o CR7 do Pontal, vai chamar os militantes a jogo

O líder do PSD vai vestir neste sábado a camisola 7, simbolicamente a lembrar a de Cristiano Ronaldo, no torneio de futebol da festa do Pontal. No partido esperam que Rio prolongue a posição de médio-ofensivo contra o governo e que mobilize as bases. Será assim?

Quem espera que o líder do PSD faça nesta tarde de sábado um típico discurso de rentrée, palavra de que nem gosta, desengane-se. No ano passado, Passos Coelho falou perto de 50 minutos aos militantes e ao país. Rui Rio marca, uma vez mais, a diferença em relação ao antecessor. "Um discurso curtinho, que se enquadra no espírito da festa" é o que tem preparado para o tradicional encontro algarvio do partido. Curtinho ou não, todos estão à espera de que seja o pontapé de saída de mobilização das bases laranja para o ano dos desafios eleitorais.

A passagem pela festa do Algarve é uma espécie de aperitivo para a Universidade de Verão do PSD, que se realiza uma semana depois, entre 3 e 9 de setembro. Será na vila alentejana de Castelo de Vide, segundo o DN apurou, que Rio se prepara para falar mais ao país e anunciar as prioridades para o próximo ano. Mas é pouco provável que este espaço de formação de jovens - que Rio considerou um "bom ícone" do PSD - seja ainda o palco para o líder da oposição apresentar um conjunto mais vasto de propostas alternativas ao governo socialista.

Fontes que lhe são próximas frisam que "esse não é o estilo de Rui Rio", de antecipar decisões ou avançar com propostas avulsas. "O timing ainda é o de discutir o que está mal no país, porque de outro modo são as propostas do PSD que se sujeitam a julgamento e desviam a atenção da governação." E mesmo que esta postura cause nervosismo no partido (e está a causar), e levante os opositores internos, Rui Rio não altera a estratégia que traçou. Nem mesmo em Castelo de Vide vai quebrar e anunciar o voto contra o Orçamento do Estado para 2019, embora já tenha decidido que será essa a posição do PSD.

Jogar ao ataque

A mudança de figurino da festa do Pontal também gerou críticas. Rio cortou nos custos da sua organização e desviou-a do litoral algarvio, do calçadão de Quarteira para o parque Fonte Filipe, na aldeia de Querença, Loulé. Voltar ao "espírito genuíno dos anos 70", quando nasceu, foi a justificação. Hoje há piquenique, um torneio de futebol, em que Rio alinha, e várias atividades lúdicas.

O líder da distrital do PSD-Faro, David Santos, a quem foi entregue a organização da festa, aproveitou para comentar ao jornal i a posição em que gostaria de ver Rio jogar politicamente neste sábado: "Penso que, neste momento, do que tem estado a fazer, está um pouco na expectativa do meio-campo, mas acho que, a partir de 1 de setembro, tem de ir jogar ao ataque. Não podemos estar mais ali no meio-campo, na posição de trinco. Temos de ir mais para a frente, a jogar a ponta-de-lança. O nosso objetivo é esse: que a partir de 1 de setembro passe a jogar a ponta-de-lança." O recado não podia ser mais direto e é um eco do que muitos militantes falam dentro do partido.

Vários líderes distritais disseram que iriam estar presentes, como o de Lisboa, Viseu, Leira, Guarda, mas os de Castelo Branco e Setúbal, por exemplo, ficarão nos seus respetivos distritos a participar em festas locais. A direção do partido vai comparecer em peso, mas há dúvidas sobre se muitos deputados, de uma bancada que é pouco alinhada com o presidente do partido, vão dar o ar de sua graça no Algarve. O líder parlamentar, Fernando Negrão, tem a passagem por Querença marcada na sua agenda, tal como o eurodeputado Paulo Rangel. O primeiro até vai jogar no torneio de Futebol 7, que decorre durante a manhã no Ria Park, Vale do Garrão.

Direção em peso no campo

O torneio começa logo pelas 10.00 entre quatro equipas. Pelo menos no torneio, o líder do partido jogará na posição em que o líder da distrital de Faro o gostaria de ver. Na equipa da direção, Rui Rio será médio-ofensivo, a número 7 - o mesmo que usa Cristiano Ronaldo -, enquanto o vogal da direção Maló de Abreu será o guarda-redes, replicando a posição do seu irmão, João Maló, na Académica na década de 60.

O secretário-geral José Silvano, o líder parlamentar Fernando Negrão, o vice-presidente Morais Sarmento e os antigos governantes Miguel Poiares Maduro e Carlos Moedas fazem também parte da equipa da direção, que inclui uma mulher, a vogal da Comissão Política Nacional Cláudia André.

Destaque na equipa do Conselho Estratégico Nacional (CEN) para o "guarda-redes" David Justino, que é também vice-presidente do partido, e na dos autarcas de Salvador Malheiro, outro vice do PSD, e do presidente da concelhia e distrital do Porto, Alberto Machado.

Até o árbitro será do PSD: o deputado Rui Silva, que já jogou futebol profissional, terá a responsabilidade de arbitrar os jogos entre os dirigentes nacionais e os membros do CEN, que decorrerá em simultâneo com a disputa entre autarcas e dirigentes algarvios, disputando-se depois os jogos entre os vencedores e os derrotados de ambas as partidas.

Garantias eleitorais

Na hora do discurso, pelas 16.30, ainda a mais de seis meses das eleições europeias, Rio também deverá evitar a fórmula usada por Passos para sossegar as bases quanto ao sucesso nas urnas. No seu último discurso, no Pontal, em agosto de 2017, o ex-presidente do PSD afirmava "cá estaremos em 2018".

Passos Coelho deu, desta forma, a garantia aos militantes de que a sua liderança iria sobreviver às eleições autárquicas que se realizaram dois meses depois, em outubro. Mas não sobreviveu. O mau resultado obtido sobretudo em Lisboa, com a lista encabeçada por Teresa Leal Coelho a ficar em quarto lugar na capital, ditaram a sua saída.

Seja como for, a festa do Pontal foi muitas vezes o ponto de encontro dos líderes com as bases. Francisco Sá Carneiro sempre deu valor à festa popular, Cavaco Silva, algarvio de Boliqueime, também dela fez palco político. Quando tomou conta do partido, o Pontal só se realizou porque o agora Presidente da República financiou do seu bolso a festa.

Os que se seguiram, Durão Barroso e Santana Lopes, não lhe deram valor e o encontro dos militantes no Algarve ficou adiado até ao consulado de Marques Mendes. Manuela Ferreira Leite, que também presidiu o partido, nunca lá colocou os pés.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.