O debate interno do PSD tem processos judiciais e ameaças "com um tijolo nos cornos"

O processo judicial do partido contra o ex-candidato à câmara é o último detalhe numa história longa: há difamações, perfis falsos no Facebook, blogues anónimos, ameaças de agressões. E há Carlos Pinto, que foi vice de Cavaco, condenado pela justiça, e que agora foi expulso do partido, e já está na Aliança de Santana Lopes.

Há momentos em que parece mais fácil subir à Torre da serra da Estrela em bicicleta do que explicar o que se passa no PSD da sede do concelho, a Covilhã. De hegemónico na maioria das eleições autárquicas, em poucos anos, o partido tornou-se uma força secundária, sem eleitos na câmara.

A guerra interna, essa, é épica. Nesta sexta-feira, o i noticiou que a direção de Rui Rio processou o seu candidato autárquico de 2017, Marco Baptista, para o responsabilizar por uma verba gasta na campanha, superior à que estava orçamentada. O DN sabe, também, que o partido exige uma indemnização por "danos morais", já incluída nos 87 066 euros que constam na queixa judicial apresentada nesta semana.

Este é apenas um pequeno detalhe numa história mais complexa. Depois de ter perdido as eleições, com 7% dos votos, Baptista terá, alega o Ministério Público, desviado ilegalmente 115 mil euros da Rede das Judiarias, onde era consultor. Mais tarde, acrescenta o Jornal do Fundão, esteve "internado na unidade de psiquiatria do hospital da Guarda". Agora é arguido nos dois processos, o do alegado desvio de verbas, e o que o PSD lhe moveu para recuperar o dinheiro gasto na campanha.

O tijolo

Se esta já seria uma história difícil de explicar, ela é apenas o último capítulo. João Esgalhado foi vereador do PSD, durante 16 anos. Esteve sempre ao lado de Carlos Pinto, o homem que liderou a câmara durante 20 anos e foi vice-presidente de Cavaco Silva no partido. Agora estão de relações cortadas, desde que Pinto, conta Esgalhado, o "ameaçou com um tijolo nos cornos".

A ameaça foi revelada em tribunal, palco, como se vê, de muitos momentos de debate interno do partido. Esgalhado e Pinto foram, aliás, condenados a três anos de prisão, por prevaricação, em 2017. O antigo presidente da câmara responde, ainda, em vários outros processos.

Um deles, em que é acusado de 12 crimes de difamação agravada, cometidos contra o atual presidente da câmara, Vítor Pereira, do PS. O tribunal da Covilhã vai julgar Pinto, que seria o alegado autor de um blogue anónimo - com o ameaçador nome de O Pelourinho -, coisa que o ex-autarca nega, considerando que o processo tem "acusações falsas e maquinações construídas e encomendadas, enviando para julgamento aberrações sem provas".

Há um blogue anónimo. E há, garantem-nos, vários "perfis falsos" que Carlos Pinto usaria no Facebook. Os seus adversários guardam ficheiros que mostram como o ex-autarca entrava em debate, alegadamente consigo próprio, nas redes sociais.

Os vários candidatos do PSD

Fora dos tribunais, na sede do PSD da Covilhã, o ambiente não é mais simples. O atual presidente da comissão política concelhia, Luís Santos, chegou ao cargo em janeiro. Tinha como objetivo unir: "Só um PSD unido pode oferecer um projeto diferente para o concelho da Covilhã."

Mas o passado torna tudo mais difícil... Para quem tenha um olhar supersticioso, não será indiferente que tudo tenha começado no ano 13 deste século. Nas eleições autárquicas de 2013, Carlos Pinto não se podia recandidatar, por ter atingido o limite de mandatos. A concelhia escolheu um candidato. E Pinto escolheu outro. Ambos perderam, para o PS.

Quatro anos depois, o candidato apoiado por Pinto (mas não muito, rezam as críticas), Pedro Farromba, apoiou o CDS. Contra Pinto, que concorreu como independente. E contra o PSD, que candidatou Marco Baptista. Perderam todos, para o PS, de novo.

A ferida estava aberta. E a unidade desejada pela nova concelhia parece quimérica.

"Tranquilidade e calma"

Em 2017, antes das eleições, o CDS, que candidatou Adolfo Mesquita Nunes, sugeriu uma coligação. O PSD lideraria a lista para a câmara, com Pedro Farromba, e o CDS presidiria a Assembleia Municipal. Essa era, na opinião de fontes dos dois partidos, uma forma de tentar impedir a vitória socialista. O PSD local opôs-se. Na direção distrital, de Manuel Frexes, e na nacional - cujo coordenador autárquico era Carlos Carreiras - não houve sinais de que essa podia ser uma boa opção. O PS ganhou com maioria absoluta, Pinto ficou em segundo (18%), o CDS em terceiro (15%) e o PSD em quarto (7%).

Pedro Farromba, do PSD, apoiou Adolfo Mesquita Nunes. Calos Pinto, do PSD, apoiou-se a si próprio. Marcos Baptista, do PSD, é agora acusado pelo partido.

Mais: em 2013 foram expulsos do partido 31 militantes. Neste ano, com Carlos Pinto à cabeça, houve cinco exclusões de militantes das listas internas locais. Todos perderam direitos de voto, a serem eleitos, e a influir na vida do PSD.

Em teoria, pelo menos. "Tranquilidade e calma" é aquilo que os militantes locais mais desejariam que existisse no partido na Covilhã. Mas as cisões, mudanças, guerras, ameaças, tornam tudo mais difícil. "Há muitos egos, muitas pessoas a tentar tomar conta do partido", explica-nos um dirigente local, que pediu para não ser identificado.

A consequência disso é "um afastamento" da elite local - explica o dirigente de outro partido. O PSD, que era o partido dominante no concelho, foi-se "desnatando". Internamente, na concelhia, não falta a consciência de que este processo vai "fragilizando" o partido.

Carlos Pinto já não fará parte dos capítulos futuros desta história. Na carta que enviou a Rui Rio, desfiliando-se (depois de ter sido excluído pelo próprio partido concelhio), acusou: "Hoje, no PSD, as escolhas internas baseiam-se em manobrismo de grupos 'enquistados' e sindicatos de voto, à medida de obedientes seguidores." Pinto foi agraciado, em 2015, com a Ordem do Mérito, pelo Presidente Cavaco Silva. É um dos 154 comendadores desta ordem que, segundo a Presidência, "tem a legenda 'Bem merecer', em letras maiúsculas de ouro". A Ordem quer "galardoar atos ou serviços meritórios praticados no exercício de quaisquer funções, públicas ou privadas, ou que revelem desinteresse ou abnegação em favor da coletividade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.