EUA pressionam Portugal para excluir chineses como a Huawei do 5G

O chairman do FCC, o organismo responsável pelas comunicações dos EUA, esteve nesta quinta-feira em Portugal para convencer autoridades e empresas portuguesas a excluir a chinesa Huawei da infraestrutura de 5G.

Ajit Pai, o responsável do FCC (autoridade federal de comunicações dos EUA com o pelouro da implementação do 5G, entre outras), bem como o embaixador dos EUA em Portugal, George Glass, estiveram reunidos com membros do governo português e empresas nacionais. O objetivo? Convencer Portugal a não utilizar fabricantes chineses como a Huawei na sua infraestrutura de 5G. "Esperemos que estas reuniões e avisos sejam úteis para os nossos parceiros, especialmente no assunto importante de segurança em telecomunicações."

O embaixador americano foi claro ao explicar que nas reuniões desta quinta-feira com vários líderes governamentais e empresariais portugueses, incluindo representantes da ANACOM, do Ministério da Infraestrutura, e do Ministério dos Negócios Estrangeiros, foram explicadas com pormenor as preocupações dos norte-americanos em relação "ao importante passo que será a infraestrutura de 5G". "A América chama todos os nossos parceiros para que sejam vigilantes e rejeitem qualquer empresa que comprometa a integridade das suas comunicações ou os seus sistemas nacionais de segurança".

Depois desta introdução clara do embaixador, Ajit Pai lembrou a aliança antiga dos EUA com Portugal, "com tanto tempo quanto a própria América". O 5G é uma grande prioridade para a administração norte-americana e para o FCC, que "representa oportunidades incríveis em termos de crescimento económico, criação de emprego e mais. O futuro da economia de internet vai depender do 5G em temas como telemedicina, agricultura de precisão e serão importantes para modernizar o país", explica o líder do FCC, nomeado para a organização ainda durante a administração Obama, mas que chegou a chairman por nomeação de Donald Trump, no início de 2017.

Na perspetiva dos EUA, as redes 5G vão ser "muito diferentes das redes do passado" e "é importante para a segurança os componentes que integram estas redes de comunicações". Essa é uma das razões apontadas por Ajit Pai, para que o FCC tenha proposto em 2018 "a proibição do uso de fundos federais em equipamentos ou serviços de empresas que foram determinadas pelo governo americano de constituírem uma ameaça à segurança nacional".

O responsável refere-se acima de tudo à chinesa Huawei que, além de ser a segunda empresa que mais smartphones vende a nível mundial (embora não venda oficialmente nos EUA), tem uma gama de produtos para redes que é frequentemente usada fora da China.

Ajit Pai chega a Portugal vindo do Mobile World Congress, a feira internacional de aparelhos móveis, em Barcelona (pode ler as nossas reportagens do evento aqui ). O FCC esteve na feira em conjunto com várias autoridades norte-americanas (Departamento de Estado, Departamento de Comércio, Agência Americana para o Desenvolvimento Internacional e Departamento de Defesa), tendo-se reunido com outras autoridades na Europa e no mundo com o objetivo de fazer ver a preocupação dos EUA face aos fornecedores da nova rede 5G.

"Queremos que os outros valorizem esta nossa preocupação com a segurança das redes de comunicações (redes TIC, de tecnologias de informação e comunicação) e trouxemos essas conversas aqui para Portugal", avançou o responsável numa mesa-redonda onde o Dinheiro Vivo esteve presente, na Embaixada dos EUA em Portugal.

Ajit Pai não revelou com quem do governo português se reuniu, indicou apenas que foi "uma variedade de representantes do governo" e explica que sentiu uma abertura grande das autoridades portuguesas, sem nunca dizer se houve uma resposta definitiva sobre o uso da infraestrutura da Huawei nas redes 5G em Portugal. "Mostraram-nos um grande interesse em saber mais sobre a perspetiva dos EUA na segurança das redes 5G em particular e em formas em como podemos colaborar para garantir que este importante valor de segurança é mantido, à medida que Portugal também entra na era do 5G", avançou o líder do FCC.

A Altice tem mostrado o desenvolvimento da sua rede 5G em parceria com a Huawei, a Vodafone tem testes feitos com a Ericsson e a NOS tem trabalhado com a Nokia. Ajit Pai garante que não veio a Portugal porque o executivo português não tem mostrado até agora qualquer tratamento diferenciado ou distanciado em relação à Huawei. O próprio CEO da Vodafone, Nick Read, disse nesta semana no MWC que "os ataques à Huawei são muito maus para a Europa" e apelou aos EUA para partilharem o que sabem usando dados concretos sobre os potenciais riscos, para que as autoridades europeias possam saber o que fazer com a situação. "Precisamos de ter uma análise de risco baseada em factos", concluiu.

Portugal ainda não fechou acordos com Huawei, dizem os EUA

Sobre as possíveis parcerias de operadores portugueses com a Huawei, o embaixador George Glass garantiu que, "na nossa conversa com as autoridades portuguesas, temos visto que o mercado 5G em Portugal ainda está em aberto".

Ajit Pai admite que recebeu uma mensagem do governo português de preocupação com a segurança das redes de 5G e "estão com a mente aberta para receber o contributo norte-americano para chegar a uma situação que permita ter o potencial do 5G, tendo os seus desafios resolvidos".

Lei chinesa de 2017 em causa

A Huawei tem-se mostrado sempre contra a postura desconfiada e intransigente do governo norte-americano, desafiando os EUA a provar as suas acusações. O CEO da Huawei, Richard Yu, disse no MWC, numa pequena conferência a que o Dinheiro Vivo teve acesso, que esta exclusão é "tudo uma questão política".

As empresas chinesas, como a Huawei, estão sob o jugo do governo chinês, "onde há uma lei nacional de informações que obriga qualquer indivíduo ou entidade a cooperar com pedidos feitos pelos serviços de informações de segurança do país. Há inclusive outras práticas como estas que podem pôr em perigo a segurança de redes de comunicações e é uma preocupação para o governo dos EUA e deve ser uma preocupação para as outras nações", explicou o líder do FCC, referindo-se à lei que foi aprovada na China em 2017 e que terá sido um dos obstáculos para a entrada da Huawei na construção da infraestrutura das redes de 5G na Nova Zelândia.

Ajit Pai comparou os EUA com a China a nível de segurança: "Temos vários sistemas implementados para garantir que as redes não são comprometidas, por exemplo, ter de ir a tribunais independentes para verificar pedidos, as empresas podem desafiar esses pedidos em tribunal e o facto de termos valores democráticos que, de forma geral, têm impedido os abusos que vemos em governos totalitários." Portugal "tem esses mesmos valores democráticos" e essa é uma das razões por estarem agora aqui. "Esses valores semelhantes e que vêm de uma aliança do passado têm relevância na era digital e por isso esperemos que possa continuar uma cooperação nesta questão de segurança", enfatizou o chairman do FCC, que foca as preocupações bem mais nas redes do que na generalidade dos produtos vindos da China.

Relação com Estados pode ser afetada

Sobre a disponibilidade da Huawei em ser alvo de testes que possam validar a segurança dos seus produtos para redes (operadores do Reino Unido e Canadá têm feito testes 5G com apoio da Huawei), o embaixador George Glass interveio para garantir que, mesmo que a empresa passe em testes, "os algoritmos ou o código que foi examinado em testes no Reino Unido não são necessariamente os códigos que são colocados nos equipamentos finais, por isso, tecnicamente, não há forma de examinar essa situação".

Quando questionámos os dois intervenientes sobre a possível mudança na relação dos EUA com países que apostem em redes de 5G com infraestrutura de empresas chinesas, Ajit Pai remeteu uma resposta oficial para o seu Departamento de Estado e voltou a reforçar a posição: "Clarificaria apenas que o nosso objetivo em vir a Portugal ter estas conversas é mais reforçar a importância da segurança nestas redes de 5G."

Esta tomada de posição "não tem contexto político nem económico por trás", até porque "nós usamos nos EUA infraestruturas de empresas estrangeiras, coreanas ou do Leste Europeu, isto é mesmo uma questão de segurança", indicou Ajit Pai. Daí que depois clarifique: "Governos que confiem informação sensível a redes que estamos confiantes que não sejam seguras, isso pode afetar a nossa relação no futuro."

Ajit Pai admite que há "urgência que este tema seja falado agora", para garantir "que não há problemas de segurança no futuro". Ou seja, pode haver "diversidade de fornecedores de 5G mas sem essa empresa". O responsável destacou ainda "a liderança dos EUA no 5G" graças às decisões tomadas recentemente, citando um estudo da Cisco que indica que em 2022 o país terá o dobro das redes de 5G da Ásia.

Jornalista do Dinheiro Vivo

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.