José Tolentino Mendonça: a voz que pregou ao Papa não é importante

Entrevista com o padre e poeta português, o novo bibliotecário e arquivista do Vaticano

Com a edição em italiano de Elogio da Sede, pergunto-lhe se sabe se o Papa já terá visto e lido o livro?

Bem, "Elogio da sede" começou por ser uma espécie audiolivro (risos), pois reúne as meditações que o Papa ouviu no retiro da quaresma passada. Mas, sim. Enviei a edição do livro em italiano ao Papa Francisco e ele telefonou-me depois a agradecer, coisa que muito me comoveu.

Escreveu que a sede volta sempre; pelo que imagino, os exercícios espirituais não terão deixado o Papa saciado, até por acontecer num espaço determinado de tempo e do tempo litúrgico. Como pode um Papa, este Papa, alimentar essa vontade de beber?

A metáfora da sede parece-me especialmente significativa para descrever a vida espiritual exatamente por isso: volta sempre, desinstala-nos continuamente, faz de nós caminhantes em busca de uma fonte. A fé não é um estado de autossuficiência, mas pelo contrário: é uma aguda e por vezes dramática consciência da nossa pobreza, da nossa escassez que nos atira em confiança para a escuta de Deus.

O Papa Francisco diz recorrentemente que um dos maiores perigos para a Igreja é a autorreferencialidade. Ele tem-nos desafiado a todos a tornarmo-nos sedentos, a vivermos com fome e sede de justiça, de misericórdia, de humanidade... E creio que este é um dos traços que tornam a sua figura tão marcante e inspiradora: percebermos rapidamente que ele faz da sua sede o seu tesouro. Onde é que o Papa alimenta e amplia essa sede? Não tenho dúvidas que a oração para ele é uma máquina de criar sede, mas também o é a leitura que ele faz dos sinais dos tempos ou a sua fidelidade à escuta dos pobres e das periferias.

O diálogo que se estabelece com o Papa é de alguém que escuta, que tem sede de ouvir?

É esse, de facto, o seu modo de atuar. Ele é um Papa que defende muito a prática da sinodalidade. Seja com os bispos. E, por exemplo, no sínodo da família, o primeiro pedido que ele fez aos bispos foi que falassem e discutissem abertamente todas as questões. Seja com os fiéis, a quem estimula a uma participação mais ativa. Seja com as periferias sociais e existenciais, cuja voz ele tem a solicitude por escutar e trazer para o centro da reflexão.

O que fica daqueles dias está agora registado no livro, que foi uma reflexão dirigida ao clero e à Igreja. Ao publicar os textos dos exercícios abriu a porta a que outros se aproximem da fonte bíblica e evangélica. Até que ponto faz falta a Igreja estar no mundo, embebida no mundo, sem replicar um discurso de "nós/eles"? É esse também o caminho proposto pelo Papa, que muitos de fora da Igreja acolhem de forma tão positiva?

Tenho uma amiga que tem uma livraria, que é completamente agnóstica, e que, há dias, me surpreendeu. "Quero dizer-te uma coisa" - disse-me ela. "O Papa Francisco é a única voz verdadeiramente humana que hoje se faz ouvir no mundo". Não há dúvida que o Papa Francisco é um grande mestre de humanidade, num tempo em que os mestres escasseiam. E é muito escutado também fora do espaço eclesial.

Como pode ter Deus sede das nossas sedes? Que caminho é esse que é proposto aos crentes? Porventura, não apenas aos crentes, mas a todos os "homens de boa vontade"?

Há um texto bíblico do profeta Joel que aparece citado por São Pedro no seu primeiro discurso, logo na manhã de Pentecostes. E diz o seguinte: "derramarei o meu Espírito sobre todos os povos, os seus filhos e filhas profetizarão, os jovens terão visões e os velhos terão sonhos". Deus tem sede da ousadia profética dos filhos e das filhas dos homens. Deus tem sede que os jovens construam novas visões que contrariem os caminhos sem saída do status quo dominante. Deus tem sede que os adultos e anciãos não se deixem vencer pelo pragmatismo ou pelo pessimismo, mas mantenham até ao fim uma capacidade de sonhar. Deus tem sede de tornar-nos cúmplices da sua sede.

Com os exercícios quaresmais, sente que, de algum modo, influenciou o Papa? Pelo menos, ele percebeu que poderia ter ali o futuro responsável da Biblioteca Vaticana...

Um retiro tem outra natureza, bem distante da lógica das influências. A voz que aqueles que fazem um retiro procuram não é certamente a do pregador. E mais. De uma forma despojada, nem é sequer a sua própria voz. A única voz importante é mesmo a de Deus que ressoa no silêncio do coração. Tudo o resto é acessório.

A nomeação de terça-feira passada sugere que o Papa descobriu em si algo mais que um padre-poeta, um homem da Cultura ao serviço da Igreja?

Eu estava convencido que fazia o retiro e voltava ao meu trabalho em Lisboa, de que gostava muito.

Já tem alguma ideia sobre o modo como a Biblioteca Vaticana e o Arquivo poderão ser lugares de maior partilha para bebermos da sua fonte documental?

O primeiro bibliotecário da Biblioteca apostólica foi Marcelo Cervini e entrou ao serviço em 1501. Eu serei o 48º bibliotecário. É uma longa e belíssima história de serviço à Igreja e à humanidade que, antes de tudo, tenho de conhecer melhor. No arquivo e biblioteca trabalham atualmente 95 colaboradores, que fazem um trabalho de qualidade, muito reconhecido. Aprenderei também com eles. Estou entusiasmado. Não nos faltará que fazer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.