Premium Aprender a andar de bicicleta na escola: "A partir do 4º ano entram na idade da vergonha"

Na Escola Básica dos Coruchéus, Lisboa, os alunos estão a aprender a andar de bicicleta com segurança. É aqui que começa a prevenção. Nesta sexta-feira, CDS e PEV propõem no Parlamento que o seguro escolar passe a cobrir acidentes com velocípedes. Já o PAN quer um grupo de trabalho sobre mobilidade relacionada com as bicicletas.

"Quantos é que não sabiam andar de bicicleta e agora já sabem?", pergunta Paulo Vaz, diretor da escola de ciclismo de Lisboa Coelhinhos. Quatro dos 23 alunos da turma de 2.º ano da Escola Básica dos Coruchéus, em Lisboa, levantam os braços. "E esta [turma] não é uma das piores. No ano passado, tivemos uma turma de 4.º ano com 25 alunos, 80% não sabiam andar de bicicleta. E estas crianças estão no limiar da aprendizagem, a partir daí entram na idade da vergonha", diz o instrutor.

Esta é a última das quatro aulas anuais de ciclismo da turma, nas quais os miúdos trabalham o equilíbrio e aprendem a contornar obstáculos. No ano passado, a escola Coelhinhos ensinou 1545 crianças de 14 escolas a andar de bicicleta. Fazem-no de forma gratuita para os alunos, uma vez que estas aulas resultam de um protocolo com a Junta de Freguesia de Alvalade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.