Premium Aprender a andar de bicicleta na escola: "A partir do 4º ano entram na idade da vergonha"

Na Escola Básica dos Coruchéus, Lisboa, os alunos estão a aprender a andar de bicicleta com segurança. É aqui que começa a prevenção. Nesta sexta-feira, CDS e PEV propõem no Parlamento que o seguro escolar passe a cobrir acidentes com velocípedes. Já o PAN quer um grupo de trabalho sobre mobilidade relacionada com as bicicletas.

"Quantos é que não sabiam andar de bicicleta e agora já sabem?", pergunta Paulo Vaz, diretor da escola de ciclismo de Lisboa Coelhinhos. Quatro dos 23 alunos da turma de 2.º ano da Escola Básica dos Coruchéus, em Lisboa, levantam os braços. "E esta [turma] não é uma das piores. No ano passado, tivemos uma turma de 4.º ano com 25 alunos, 80% não sabiam andar de bicicleta. E estas crianças estão no limiar da aprendizagem, a partir daí entram na idade da vergonha", diz o instrutor.

Esta é a última das quatro aulas anuais de ciclismo da turma, nas quais os miúdos trabalham o equilíbrio e aprendem a contornar obstáculos. No ano passado, a escola Coelhinhos ensinou 1545 crianças de 14 escolas a andar de bicicleta. Fazem-no de forma gratuita para os alunos, uma vez que estas aulas resultam de um protocolo com a Junta de Freguesia de Alvalade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.