Premium Professores avisam governo: negoceia até janeiro ou "tem o ano letivo estragado até ao fim"

Sindicatos acreditam que governo vai aceder às deliberações do Parlamento para retomar discussão do tempo de serviço mas avisam que, se António Costa fizer finca-pé, terá pela frente "um ano letivo estragado até ao fim".

Os sindicatos de professores estão otimistas com os últimos desenvolvimentos em torno da devolução do tempo de serviço congelado, depois de na última segunda-feira os partidos à esquerda e à direita do PS se terem unido para aprovar uma alteração ao artigo 16.º do próximo Orçamento do Estado (OE) que obriga o governo a voltar a abrir um "processo negocial com vista a definir o prazo e o modo para a sua concretização". No entanto, avisam também que não irão esperar indefinidamente pela decisão do primeiro-ministro, António Costa, dando o mês de janeiro como prazo para o regresso à mesa negocial.

"Podemos estar muito perto de uma solução mas, se o governo insistir muito na sua posição, e daí não sair, podemos também estar perante um ano letivo estragado até ao fim", avisa Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores. "Se chegarmos a janeiro e percebermos que toda a gente, incluindo professores, vai recuperar integralmente o tempo de serviço menos os professores que estão em Portugal continental, não iremos deixar que isso aconteça."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.