Premium Toty Sa'Med: "Neste momento Lisboa é uma cidade muito crioula"

Entrevista ao músico que Salvador Sobral escolheu para atuar no EDP Cool Jazz. Toty Sa'Med falou com o DN sobre as novas músicas em que está a trabalhar, com letras de José Eduardo Agualusa, Mia Couto e Kalaf.

Chamava-se Antigamente É Que Era Doce o espetáculo que naquela noite fez de Óbidos uma espécie de quintal angolano. Toty Sa'Med e Kalaf cantavam canções dos anos 1960 e 1970. Foi em 2015. O músico dos Buraka Som Sistema viria a produzir o primeiro EP de Toty, Ingombota, então praticamente desconhecido.

Nele, o músico angolano cantou canções bem mais velhas do que a sua voz, canções de Ruy Mingas, Artur Nunes ou Bonga. No último dia, 18, subiu ao palco do EDP Cool Jazz na noite em que o festival dera carta-branca a Salvador Sobral. A voz de Amar pelos Dois escolheu-o para a primeira parte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.