Premium Dívida do Estado regista segunda maior queda desde que Portugal aderiu ao euro

Dívida do Estado regista segunda maior queda desde que Portugal aderiu ao euro.

A dívida do Estado desceu 0,4% em junho face a igual mês de 2017, naquele que é o segundo maior recuo desde 1999, pelo menos, indicam dados do Banco de Portugal e do IGCP, a agência que gere a dívida pública portuguesa. Está agora em 243,6 mil milhões de euros. Ou seja, são menos mil milhões de euros face a junho de 2017 e menos 2,7 mil milhões de euros em relação a maio, mês em que os stocks de endividamento (do Estado e total) atingiram os maiores valores de sempre.

No entanto, já se antevia que esses máximos históricos não seriam agravados agora. É que para junho estava agendado o pagamento de um empréstimo em obrigações do Tesouro herdado do tempo do governo de José Sócrates (emitido em 2008).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.