Trabalhadores fazem greve contra fusão da Refer e EP

Os sindicatos representativos dos trabalhadores ferroviários decidiram hoje avançar com uma greve no dia 8 de maio para contestar a fusão entre a Refer e a Estradas de Portugal (EP), decidida pelo Governo.

Em declarações à Lusa, o coordenador do Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários Abílio Carvalho adiantou que os trabalhadores da CP -- Comboios de Portugal e da CP Carga se vão juntar aos da Refer numa greve geral da ferrovia, marcada para 08 de maio.

O dirigente sindical explicou que os receios dos trabalhadores da Refer aumentaram, depois de uma reunião, na segunda-feira, em que os representantes da empresa "não responderam a nenhuma das questões levantadas pelos funcionários".

"Há um conjunto de preocupações, nomeadamente sobre o futuro das empresas e dos trabalhadores, que ficaram sem resposta. Os representantes da administração limitaram-se a dizer que a hipótese de fusão ainda está em estudo", acrescentou Abílio Carvalho.

Na reunião de hoje, os sindicatos elaboraram um documento para entregar à administração da Refer, que reúne as preocupações e reivindicações dos trabalhadores.

O ministro da Economia anunciou a 03 de abril que a fusão entre a Refer, gestora da rede ferroviária nacional, e a Estradas de Portugal (EP), gestora da rede rodoviária, vai avançar em abril para estar em execução no segundo semestre do ano.

"A nossa ideia é avançar com este projeto em termos de decisão já no mês de abril, para estar em modo de execução ao longo do segundo semestre de 2014 e com impacto claro em 2015", disse António Pires de Lima em conferência de imprensa.

O ministro considerou, na altura, que "a racionalidade do projeto é óbvia, tanto do ponto de vista estratégico", como do "ponto de vista da racionalidade económica" e referiu a eficiência dos modelos europeus semelhantes.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.