SATA diz que propôs medidas que aumentariam em 1 ME os salários pagos em 2013

A administração da SATA propôs aos sindicatos alterações a nível de horários e majoração de horas extraordinárias que levariam a um acréscimo de um milhão de euros nos vencimentos pagos aos trabalhadores este ano, disse fonte do Grupo SATA.

Nas negociações para evitar a greve em curso na empresa, a administração da transportadora enviou aos cinco sindicatos que convocaram a paralisação memorandos de entendimento, a que a Lusa teve acesso, com uma série de medidas que preveem alterações, entre outras, a nível de horários e pagamento de horas extraordinárias.

Fonte do grupo SATA disse à Lusa que estas alterações levariam a "um aumento da produtividade" e, por conseguinte, também "do rendimento" dos trabalhadores da transportadora aérea açoriana, significando, no total, que a empresa pagaria mais um milhão de euros este ano em salários.

Ainda segundo a mesma fonte, a proposta feita aos pilotos tinha por base maior flexibilidade na realização de voos, o que permitiria que fizessem mais e, por consequência, que aumentassem o rendimento. Quanto ao pessoal de terra, a proposta tem por base a criação de uma banco de horas, com o aumento do horário semanal de 38,4 para 40 horas. Tudo isto, além da majoração das horas extraordinárias.

Por exemplo, o memorando de entendimento apresentado pela empresa ao Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil, a que a Lusa teve acesso, propõe medidas como a "alteração de escalas no interesse da companhia, efetuado com a antecedência de 48 horas, sem consentimento, confere o direito à contagem em dobro dos serviços de voo inerentes ao voo realizado".

O documento, em vários pontos idêntico ao apresentado ao pessoal de voo, inclui também propostas como uma majoração de 50% sempre que um período de férias "alterado ou interrompido" coincida verão, Natal, Páscoa e Santo Cristo e, também, o alargamento do prémio de jubilação para os pilotos admitidos até final de 2012.

Os trabalhadores da SATA iniciaram à meia-noite um período de greve que se prevê durar até sábado, abrangendo o calendário das festas do Santo Cristo, na ilha de São Miguel.

A paralisação foi convocada por cinco sindicatos, contra a não aplicação na SATA do mesmo acordo firmado na TAP, com vista a evitar os cortes salariais entre os 3,5% e os 10% previstos no Orçamento do Estado de 2013.

Um primeiro período de greve decorreu a 23, 24 e 25 de abril.

Após duas rondas de negociações, não houve acordo entre sindicatos e administração.

Na semana passada, quando falhou a primeira ronda de negociações, os sindicatos explicaram que as propostas da administração da SATA não eram quantificáveis e obrigavam a rever acordos de empresa.

Já o Governo dos Açores, que tutela a SATA, diz que a aplicação na empresa do acordo assinado na TAP violaria o Orçamento do Estado de 2013.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG