Proibição de despedir só abrange sindicatos que fizeram acordo com Governo

Secretário de Estado dos Transportes alertou que garantia de não despedir só abrange os nove sindicatos que aceitaram discutir e assinar um acordo com o Governo.

O novo dono da TAP está impedido de fazer despedimentos enquanto o Estado for acionista ou nos primeiros dois anos e meio após a venda, o que abrange apenas os associados dos nove sindicatos que chegaram a acordo com o Governo.

Uma das novidades do caderno de encargos hoje aprovado, em relação à versão de 2012, é a inclusão de garantias da não existência de despedimentos coletivos durante "um determinado período de tempo", que será o mais longo, entre o Estado se manter acionista ou 30 meses, explicou o secretário de Estado dos Transportes.

Sérgio Monteiro alertou que estas garantias são válidas para "o universo de sindicatos que aceitou discutir e assinar um acordo com o Governo", isto é, os nove sindicatos que, antes do Natal, fechou um memorando com o Executivo e desconvocou a greve de quatro dias, marcada justamente para contestar a venda da companhia pelo Estado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG