Pensionistas em tribunal contra aumento dos impostos

A presidente da Associação Nacional de Aposentados, Reformados e Pensionistas (APRE!) considerou hoje que esta faixa da população está a ser "alvo de um saque", manifestando a intenção de "lutar em tribunal" contra o aumento da carga fiscal.

"Sentimos que estamos a ser alvo de um saque porque, de facto, é um roubo o que estão a fazer aos reformados. Vamos lutar contra isso, vamos para tribunal", afirmou Rosário Gama.

A dirigente comentava à Lusa um estudo hoje divulgado no Diário Económico que conclui que com a Contribuição Extraordinária de Solidariedade e a subida do IRS, os pensionistas em Portugal vão pagar mais impostos do que os reformados nos países mais ricos na Europa, como a Alemanha e a França.

"Esperamos a declaração de inconstitucionalidade destas medidas. Estamos cheios de esperança que isso aconteça, mas estamos a pensar entrar já com ações em tribunal", afirmou Rosário Gama.

"Os cortes que aí vêm são brutais", frisou a dirigente da APRE!, lamentando a decisão de "taxar os mais pobres e os que não têm possibilidade de fazer greves e de adotar outras medidas de luta" que obriguem o Governo a repensar estas medidas.

De acordo com o estudo da consultora da KPMG, publicado pelo Diário Económico, "a discrepância é particularmente notória nos pensionistas com rendimentos acima de 300 mil euros por ano, com a Alemanha a surgir como o país mais atrativo, com uma taxa de tributação efetiva de 24,4% para um casal de pensionistas sem filhos com rendimentos acima de 300 mil euros".

Em Portugal, "a taxa será de 64,2% para o mesmo exemplo, ou seja, quase três vezes mais", acrescenta.

"Se cá, um casal de reformados com 300 mil euros de pensão bruta anual fica, depois de impostos e da Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES), com 107.471 euros de rendimento disponível, na Alemanha ficará com 226.930 euro", sustenta.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.