Pedida requalificação de antigas minas de urânio

O presidente da associação Ambiente em Zonas Uraníferas (AZU) prometeu hoje enviar ao Ministério do Ambiente uma lista das antigas minas de urânio que ainda não foram descontaminadas, prometendo intensificar os protestos até que sejam requalificadas.

"Vamos apresentar queixa no Ministério do Ambiente, reportando as situações em que as antigas minas de urânio ainda não tenham sido requalificadas. Não vamos baixar os braços e vamos insistir na recuperação ambiental das minas", disse António Minhoto.

A AZU promoveu hoje, no âmbito da Comemoração do Dia do Ambiente, um roteiro por algumas minas de urânio dos concelhos de Nelas, Mangualde e Tábua, para chamar a atenção para a urgência de intervenção nas minas ainda não recuperadas ambientalmente.

Para António Minhoto, os casos mais flagrantes são o das Minas da Quinta do Bispo, no concelho de Mangualde, e das minas de Mondego Sul, na freguesia de Ázere, concelho de Tábua, que continuam "completamente abandonadas".

"As minas do Mondego Sul estão encerradas desde 1988 e a sua recuperação já devia estar feita há muito. Estas minas ficam situadas perto da Barragem da Aguieira e anexas ao Rio Mondego, sendo um perigo continuarem sem estarem recuperadas", lamentou.

O presidente da AZU apontou que há 19 anos a Empresa de Desenvolvimento Mineiro (EDM) entregou os terrenos a uma associação de Ázere, para construírem um parque de campismo.

"Este projeto não se concretizou, mas primeiro era preciso descontaminar a área. O Estado não pode lavar as mãos e é cúmplice da EDM!", acusou.

Segundo Minhoto, é necessário seguir os bons exemplos, congratulando-se com o que foi feito na Urgeiriça (Nelas) ou na Cunha Baixa (Mangualde).

"Estas minas foram recuperadas, de forma a minimizar os problemas causados pela radioatividade na saúde, fauna, flora e ambiente. São um exemplo a seguir", frisou.

António Minhoto informou ainda que vai seguir também uma exposição sobre o assunto para a Assembleia da República e para o Parlamento Europeu.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG