"Não tenho nenhuma ansiedade em rever cenários" macroeconómicos, diz Pires de Lima

O ministro da Economia, António Pires de Lima, disse hoje que não tem "ansiedade em rever" o cenário macroeconómico português para este ano e sublinhou que o importante é Portugal terminar o programa de ajustamento.

Pires de Lima falava numa conferência de imprensa, em Lisboa, após uma reunião do Conselho Nacional de Empreendorismo e Inovação, presidida pelo primeiro-ministro.

Questionado sobre se, face a indicadores positivos da economia portuguesa, admite rever os números do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014 em alta, Pires de Lima disse não ter "nenhuma ansiedade em rever cenários".

O Governo prevê um crescimento de 0,8% da economia portuguesa para este ano.

"Estou otimista, mas longe de estar eufórico", afirmou Pires de Lima.

O ministro disse não ter "nenhuma ansiedade em rever os cenários económicos que já foram feitos", sublinhando que o crescimento da economia portuguesa vai resultar da atividade das empresas.

Destacou que "a evolução das taxas de juro são um bom indicador" e que há um "consenso generalizado" sobre o crescimento da economia em 2014 e relativamente à saída de Portugal do programa de ajustamento.

"O que é importante é terminarmos o programa a 17 maio", salientou.

Questionado sobre quais os riscos que existem para Portugal até maio, Pires de Lima afirmou: "Risco de perdermos o enfoque naquilo que temos de fazer ao nível do Estado", porque a execução do Orçamento é exigente, e o "risco de entrarmos numa onda de euforia que desconcentre os agentes económicos daquilo que é essencial e disassocie os agentes políticos daquilo que é o estado real da vida dos portugueses", que ainda sofrem dificuldades.

Sobre a privatização da TAP, o ministro lembrou que o Governo só irá "relançar o processo" quando estiver "claro que há interessados, mais do que um interessado".

Para Pires de Lima, "só faz sentido alienar a TAP numa perspetiva de projeto estratégico".

O ministro registou "agrado" nas notícias que apontam para vários interessados na TAP, mas sublinhou que não foi ainda tomada decisão sobre o seu relançamento.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG