NAER investiu mais de 40 milhões a estudar aeroporto na Ota

A NAER gastou mais de 40 milhões de euros a estudar a construção do Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) na Ota, Alenquer, uma localização que viria a ser abandonada, indica um relatório do Tribunal de Contas (TC) hoje divulgado.

De acordo com uma auditoria à sustentabilidade de empresas de capitais públicos do TC, "até 31 de Dezembro de 2007, a NAER já tinha despendido cerca de 40,738 milhões de euros em estudos e outros custos empresariais".

Em 2008, o Governo alterou a localização do futuro aeroporto de Lisboa da Ota para Alcochete.

Segundo o relatório do TC, a mudança da localização do NAL "tem impactos importantes, pois, desde logo, os seus accionistas procederam à entrega de valores a título de adiantamentos para aumentos de capital a realizar no futuro, cujo montante atingiu até 31 de Dezembro de 2009 o valor de 11.964 milhares de euros, perfazendo um esforço global no montante de 49.214 milhares de euros".

Entre 2006 e 2009 - período analisado no relatório - a NAER não registou qualquer volume de negócios, "apesar de ter sido constituída como sociedade anónima sob forma comercial nos termos do Código das Sociedades Comerciais (CSC)".

No mesmo período, "a NAER registou prejuízos consecutivos, de valor crescente, o mesmo se verificando quanto ao resultado operacional (económico) que permaneceu com valores negativos".

O esforço financeiro do Estado com a empresa atingiu os 58.203 milhares de euros.

A NAER, criada em 2000 cuja extinção já foi anunciada, tinha como missão o desenvolvimento dos trabalhos necessários à preparação e execução das decisões sobre o NAL.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.