Menos centros comerciais em 2010 que em 20 anos

O número de centros comerciais que inauguraram em Portugal em 2010 foi o menor das últimas duas décadas, com apenas dois "shoppings" a abrir, segundo um estudo da Cushman & Wakefield.

A tendência é de queda em toda a Europa, de acordo com o estudo europeu sobre centros comerciais segundo o qual, no ano passado, foram colocados no mercado cerca de 5,2 milhões de metros quadrados de novos espaços comerciais, uma descida face a 2009 (menos 30 por cento) e pelo segundo ano consecutivo.

Em Portugal, inauguraram em 2010 o Liberdade Street Fashion do Grupo Regojo e o Leirishopping da Sonae Sierra, que resultou da expansão do Continente de Leiria.

O estudo destaca que "esta evolução da indústria é benéfica para o mercado nacional, pois evita que , ao invés do que pode suceder noutros países europeus, se chegue a um nível excessivo de oferta".

A consultora acrescenta que "a médio prazo, é mesmo possível que se atinja algum grau de escassez de espaços de qualidade nas principais localizações de retalho nacionais".

Em 2010 foram inaugurados 165 novos centros comerciais na Europa, com uma área bruta locável de 131,9 milhões de metros quadrados, mas em 2011 prevê-se um aumento de abertura de novos espaços.

Se todos os projectos forem concluídos, o total de inaugurações representará um aumento de 33 por cento comparativamente ao ano passado.

A Rússia e a Turquia continuam a liderar as novas aberturas para os anos de 2011 e 2012, contabilizando mais de 40 por cento do total europeu.

Na Europa ocidental, Itália, com 15 novos espaços e quatro ampliações, e Espanha, com sete novos "shoppings" e três ampliações, foram os países que registaram mais inaugurações.

A par de Portugal, Alemanha e França registaram descidas na actividade de promoção.

O Stratford City de Londres, com 176.500 metros quadrados, é o maior centro comercial a ser construído actualmente.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.