Juros a 10 anos aliviam, taxas a 5 anos em máximo histórico

Os juros exigidos pelos investidores para comprar títulos de dívida soberana portuguesa a 10 anos no mercado secundário estão a aliviar face aos valores de quinta-feira, enquanto os juros da dívida a cinco anos negoceiam em máximos históricos.

De acordo com a agência de informação financeira Bloomberg, às 09:27, as taxas de juro associadas às obrigações soberanas a 10 anos no mercado secundário negociavam nos 7,158%, abaixo dos 7,296% da média do dia de quinta-feira, uma sessão que foi marcada pela pressão em torno dos juros da dívida portuguesa.

Os juros associados à dívida portuguesa a dez anos atingiram a 9 de Fevereiro os máximos históricos desde, pelo menos, a entrada do euro, quando fecharam nos 7,361%. Já o 'spread' face aos títulos de dívida alemã (referencial para a Europa), ou seja, o prémio pedido pelos investidores para comprarem obrigações portuguesas em vez de alemãs, situava-se nesta maturidade nos 398,2 pontos base.

Já na dívida soberana a cinco anos, pelas 09:28, os juros estavam a negociar em máximos históricos de 6,683% no mercado secundário, acima dos 6,521% de quarta-feira, enquanto o 'spread' face à dívida alemã era de 401,1 pontos base. As taxas da dívida soberana a cinco anos estão acima dos 6% no mercado secundário desde 18 de Janeiro.

O Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP) anunciou na quinta-feira um leilão de recompra para 16 de Fevereiro de obrigações com maturidade em Abril e Junho. O montante a ser reembolsado será determinado "em função das condições de mercado", de acordo com o IGCP.

O Instituto tenta assim antecipar as duas linhas de obrigações do tesouro que vencem em Abril e Junho, de 4,532 e 4,958 mil milhões de euros, respectivamente. Também a 16 de Fevereiro, próxima quarta-feira, será promovido um leilão de Bilhetes do Tesouro com maturidade de um ano com um financiamento entre 750 milhões e mil milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG