Zeinal Bava eleito melhor CEO do sector na Europa

O presidente executivo da Portugal foi eleito o melhor CEO da Europa no sector das telecomunicações, pela Institutional Investor Magazine, um reconhecimento que obteve quer por parte dos investidores quer dos analistas.

Zeinal Bava ganhou o prémio de melhor CEO (presidente executivo) atribuído pelos investidores com uma votação global de 21,91 por cento, à frente de Vittorio Colao, presidente do Grupo Vodafone, que com 17,98 por cento de votos conseguiu o segundo lugar. Em terceiro lugar do 'ranking' ficou o responsável da operadora Royal KPN, A.J. Scheepbouwer, com 15,73 por cento da votação dos investidores.

Já no 'ranking' avaliado pelos analistas o presidente executivo da Portugal Telecom voltou a vencer os restantes CEO"s dos grupos de telecomunicações europeus, com 16,30 por cento dos votos. Em segundo lugar os analistas elegeram Duco Sickinghe, CEO da Telenet Group Holding. O 'homem-forte' da Telefónica, César Alierta, conseguiu, neste caso, o terceiro lugar com 11,19 por cento dos votos.

Com os prémios deste ano, o presidente da PT tornou-se no único executivo português a ter tido duas distinções consecutivas como melhor CEO no sector das telecomunicações - sendo que este ano o reconhecimento chega dos dois lados do mercado financeiro, investidores e analistas - e três prémios como melhor CFO (chief financial officer), pela Institutional Investor Magazine, considerada uma referência internacional na comunicação da relação com os investidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?