Wall Street em baixa com aumento do preço do petróleo

A Bolsa de Nova Iorque encerrou hoje pelo segundo dia consecutivo em baixa, devido aos efeitos que o aumento contínuo do preço do petróleo pode ter na recuperação económica mundial.

Segundo a agência France Presse, o índice industrial Dow Jones terminou a perder 0,66 por cento (menos 79,85 pontos), caindo para os 12.090,03 pontos, e o tecnológico Nasdaq encerrou a perder 1,4 por cento (menos 39,04 pontos), caindo para os 2.745,63 pontos. O alargado Standard&Poor's 500 recuou 0,83 por cento (menos 11,02 pontos), para os 1.310,13 pontos.

A bolsa nova-iorquina procurou recuperar as quedas de sexta-feira durante a manhã de hoje, mas os mercados continuavam divididos enquanto o preço do petróleo subia. "Os investidores aprenderam a vender as acções quando há saltos no preço do petróleo", disse o analista da sociedade Marblehead Asset Management Mace Blicksilver. A subida do preço do petróleo continua a ser impulsionada pelos conflitos no norte de África e Médio Oriente.

"É muito difícil para o mercado remover estes temores geopolíticos, porque não vemos soluções para estes problemas a curto prazo", disse o analista da sociedade Meeschert Capital Markets Gregori Volokhine. Para este analista, "até agora ninguém se atreveu a fazer previsões de menor crescimento devido aos custos de energia, mas é claro que isso vai acontecer se se continuar assim, e é isso que assusta mercado".

O barril de petróleo alcançou hoje quase 107 dólares em Nova Iorque.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.