Wall Street abre animada pela notícia da morte de Bin Laden

A Bolsa de Nova Iorque segue hoje a negociar em terreno positivo, com os investidores a reagirem positivamente à anunciada morte do líder da Al-Qaida, Usama Bin Laden.

Pelas 14:45 de Lisboa, o índice industrial Dow Jones subia 0,23 por cento para os 12.839,34 pontos, enquanto o tecnológico Nasdaq avançava uns ligeiros 0,08 por cento para os 2.875,77 pontos. Já o índice S&P 500 ganhava 0,20 por cento para 1.366,35 pontos.

"Este é um desenvolvimento positivo na campanha contra o terrorismo", sublinhou à agência Bloomberg Jonathan Ravelas, estrategista chefe do Banco de Oro Unibank, nas Filipinas, acrescentando que "nos últimos dez anos, a existência de Bin Laden consistia uma séria ameaça à estabilidade global. A preocupação é que com o anúncio da sua morte surjam actividades de retaliação dos seus apoiantes".

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou no domingo à noite em Washington que Usama bin Laden foi morto no Paquistão por forças especiais norte-americanas. Segundo responsáveis, o líder da Al-Qaida foi morto durante o ataque a um complexo nos arredores de Islamabad, onde a sua presença foi confirmada no final de Abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.