UGT e CGTP convergem em 90%

O líder da UGT afirmou hoje que a convergência de políticas com a CGTP no combate à austeridade ronda os "90%", mas no entender do seu homólogo da Intersindical "uma coisa são as palavras, outra os atos".

"Foram lançados aqui desafios, quer pela UGT, quer pela CGTP, e são desafios que abordaram o plano geral do país e diria que há grande convergência, diria quase que 90% das posições das duas centrais são consonantes", afirmou o secretário-geral da UGT, Carlos Silva.

No final de um encontro com o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, na sede da Intersindical, Carlos Silva disse aos jornalistas que as divergências públicas entre ambos os líderes nos últimos dias foram esclarecidas neste encontro e que houve "uma grande aproximação de posições" na reunião.

"Garantimos hoje que não nos alheamos de formas de mobilização porque os trabalhadores têm de ser envolvidos. As centrais sindicais não podem estar sozinhas, há que mobilizar os trabalhadores que têm de perceber que há uma unidade entre as centrais sindicais", afirmou Carlos Silva.

Segundo referiu, "as duas centrais estão imbuídas no mesmo espírito de unidade e de convergência".

"Esta fogueira foi apagada sem prejuízo. Há aqui uma responsabilização das duas centrais de atenuar alguns comportamentos mais expressivos", declarou.

Este foi o primeiro encontro entre as duas centrais sindicais desde a eleição do novo secretário-geral da UGT.

Arménio Carlos aplaudiu "o facto de a UGT considerar positivas as propostas da CGTP relativamente a um conjunto de matérias", nomeadamente, a "rejeição do pacote brutal de sacrifícios que está a ser apresentado aos trabalhadores da administração pública".

"Há muito mais fatores que nos unem do que nos dividem e isto é importante que se faça a partir do local de trabalho", afirmou Arménio Carlos.

Disse, no entanto, que "uma coisa são as palavras, outra coisa são os atos e o que importa aqui é articular os atos".

"Da nossa parte, de forma coerente, damos sequência àquilo que dizemos e esperamos sinceramente que da parte da UGT, desta vez, também haja essa mesma abertura e esse compromisso", assegurou o secretário-geral da CGTP.

No entender de Arménio Carlos, "esta reunião abriu grandes expectativas, mas também trouxe grandes responsabilidades. Os trabalhadores querem unidade mas não querem que agora se diga uma coisa e amanhã se faça outra".

"Faremos tudo para que essa unidade seja cumprida. Este momento é muito importante e abre um espaço de intervenção, não fazemos a luta pela luta.

"Ou nos unimos ou eles [Governo] esmagam-nos", concluiu o sindicalista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.