Turquia paga toda a dívida devida ao FMI em maio

A Turquia espera ter reembolsado a totalidade da sua dívida junto do Fundo Monetário Internacional (FMI) em maio, afirmou hoje o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan.

"Nós pagámos e pagámos... E, neste momento, a nossa dívida ascende aos 860 milhões de dólares" (643 milhões de euros), disse Erdogan, em declarações à televisão turca, citada pela agência France Presse.

"Assim que regularizarmos a última tranche [ao FMI) no mês de maio, não teremos mais dívida" junto da instituição liderada por Christine Lagarde, afirmou o governante.

O ministro das Finanças turco, Mehmet Simsek, esclareceu, em declarações à agência de notícias turca, que Istambul tinha uma dívida junto do FMI desde 1958, considerando que "a Turquia entra numa nova era, ao não se comprometer com nenhum novo programa e ao pagar totalmente as suas dívidas".

O Estado turco "poderá, por isso, consagrar as receitas fiscais ao investimento em infraestruturas", disse ainda o ministro turco das Finanças.

Durante várias décadas, os governantes da Turquia assinaram um total de 19 acordos com o FMI, conseguindo ajudas financeiras de mais de 50 mil milhões de dólares.

A Turquia e o FMI discutiram, entre o final de 2008 e o início de 2010, a possibilidade de a instituição com sede em Washington conceder um empréstimo ao país, mas não foi alcançado nenhum consenso, tendo Istambul desistido deste crédito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.