Turismo de Portugal e AICEP lançam estágios internacionais

O Turismo de Portugal e a AICEP vão assinar na quarta-feira um protocolo que formaliza a parceria entre as duas entidades na promoção de estágios internacionais no setor turístico, anunciaram hoje as duas entidades.

O presidente do Turismo de Portugal, Frederico Costa, disse à Lusa que esta é a primeira vez que se vai formalizar a articulação com a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), no âmbito do programa INOV Contacto, que vai abranger 50 estagiários no setor do turismo, mas sem uma "concentração absoluta".

A ideia, de acordo com Frederico Costa, é que o grupo de estagiários vá para empresas diversificadas em termos internacionais como cadeias hoteleiras, mas também companhias aéreas ou de 'marketing' ganhar experiência, de modo a que depois regressem a Portugal com novas competências adquiridas.

"Ao longo de um estágio que pode durar até seis meses, pretende dar-se aos participantes uma experiência internacional qualificante para que desenvolvam redes de contactos e de conhecimento e possam, depois, transferir o seu 'know-how' avançado para o tecido empresarial nacional", revelaram as duas estruturas em comunicado hoje divulgado.

Frederico Costa admite que nem todos os estagiários voltem a Portugal depois do fim do período de treino, mas mostra-se "um grande otimista", salientando que os custos vão ser repartidos entre as duas instituições.

De acordo com o presidente do Turismo de Portugal, o objetivo é manter a colaboração com a AICEP no futuro de forma a que se possam treinar números crescentes de jovens num ambiente de "empresas de ponta em mercados novos".

"São os primeiros passos que dão e dão logo num ambiente altamente competitivo", afirmou Frederico Costa.

No INOV Contacto deste ano vão participar 300 pessoas e 230 entidades, sendo a maior parte das entidades recetoras de estagiários provenientes do setor turístico, de acordo com o comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.