Travagem na privatização da TAP não compromete "de maneira nenhuma" venda da ANA

O ministro das Finanças, Vítor Gaspar, afirmou hoje que o facto de a TAP não ter sido privatizada não compromete "de maneira nenhuma" a venda da ANA, empresa que gere os aeroportos em Portugal.

"De maneira nenhuma. As perspetivas para a privatização da ANA são excelentes", afirmou Vítor Gaspar, quando questionado sobre se a não concretização da venda da TAP compromete a privatização da gestora de aeroportos.

O ministro falava à margem da cerimónia de assinatura de um protocolo entre a Autoridade Tributária (AT) e a Guarda Nacional Republicana (GNR) para promover o combate à evasão fiscal e à economia paralela, que decorreu hoje no Ministério das Finanças, em Lisboa.

O Governo anunciou na quinta-feira que decidiu recusar a proposta de compra do grupo Synergy para a TAP, o único concorrente à privatização da companhia aérea nacional.

"O Governo decidiu hoje [quinta-feira] não aceitar a proposta apresentada para a adjudicação da TAP", anunciou Marques Guedes, secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, em conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros.

A secretária de Estado do Tesouro, Maria Luís Albuquerque, disse, por seu lado, que o Governo pretende relançar o processo de privatização da TAP até 2014 para cumprir o memorando de entendimento com a 'troika' e ressalvou que o processo vai "começar do zero" e que "as atuais circunstâncias são difíceis".

"Vamos fazer os possíveis para que a redefinição da estratégia [da privatização] possa ser concluída a tempo de dar cumprimento ao memorando de entendimento", afirmou.

Exclusivos