Transportes: Novo passe social em Lisboa custa 35 euros

Os preços dos transportes públicos vão aumentar em média 5% e o novo passe único que o Governo vai criar para Lisboa, o "Navegante", terá um custo de 35 euros.

A partir de 01 de fevereiro, "o aumento geral é de cinco por cento para os transportes públicos e de quatro por cento para os privados", confirmou Sérgio Monteiro à Agência Lusa.

De fora deste aumento ficam os passes mensais dos autocarros e metros de Lisboa e Porto.

Assim, na capital, a assinatura mensal dos autocarros passa a custar 29 euros (mais 1,5 euros do que atualmente).

O passe do metro sofre um aumento maior: dos atuais 23,90 euros para 29 euros.

O passe combinado do autocarro com o metro (que custava 33 euros) desaparece e dá lugar ao "Navegante", que custará 35 euros. O novo passe terá duas zonas, correspondentes às servidas atualmente pelos passes Carris/Metro: urbana e suburbana e poderá ser utilizado nos autocarros, no metro, no serviço urbano da CP e nas linhas do elétrico até Algés.

No Porto, a assinatura mensal dos autocarros mantém-se nos 29 euros, enquanto a assinatura do metro e do passe "Andante" diminuem 50 cêntimos e passam a custar 36 euros.

Segundo o secretário de Estado, preços dos transportes públicos "vão manter-se até ao final do ano", pelo que a "expetativa" do Governo é a de que "não haja mais aumentos este ano".

Contudo, Sérgio Monteiro afirmou que, a partir de 01 de janeiro de 2013, serão feitos "ajustamentos" que, no Porto, "será de acordo com a inflação" e, em Lisboa, o preço "será igual ao do Porto".

O objetivo do Governo é ter os mesmos preços nas duas cidades.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.