Trabalhadores da TAP concentram-se quarta-feira contra greve dos pilotos

Funcionários querem mostrar que estão em "completo desacordo" com a greve convocada pelo Sindicato dos Pilotos. Marcha silenciosa está marcada para as 12.00.

Os trabalhadores da TAP concentram-se na quarta-feira junto ao aeroporto de Lisboa para mostrar que estão "em completo desacordo" com a greve de dez dias dos pilotos, que se inicia na sexta-feira.

"É muito importante que o Sindicato dos Pilotos perceba que existem rostos, para além do seu pequeno mundo, que estão em completo desacordo com tamanha insensatez", lê-se no email enviado esta manhã aos trabalhadores do grupo por Fernando Santos, trabalhador que tem sido porta-voz dos que criticam a luta do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC).

O programa prevê uma marcha silenciosa, marcada para as 12.00, desde a portaria da sede da companhia e termina com uma concentração junto ao terminal dos tripulantes, com passagem pelas chegadas e partidas do aeroporto da Portela.

Os pilotos da TAP marcaram uma greve, entre 1 e 10 de maio, por considerarem que o Governo não está a cumprir o acordo assinado em dezembro de 2014, nem um outro, estabelecido em 1999, que lhes dava direito a uma participação no capital da empresa no âmbito da privatização.

Os oito sindicatos de trabalhadores da TAP que assinaram um acordo com o Governo em dezembro - juntamente com o SPAC - consideraram hoje que só será possível verificar o seu cumprimento quando a transportadora aérea for privatizada.

"Enquanto a empresa não for privatizada, não podemos saber se o acordo que assinámos vai ser cumprido ou não", disse à agência Lusa André Teives, presidente do Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...