Tarifas do gás e da luz inalteradas no último trimestre

O preço da eletricidade e do gás natural para as famílias e empresas que se encontram no mercado regulado vai manter-se inalterado no último trimestre do ano, anunciou hoje a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Em comunicado, o regulador do mercado adianta que as condições do mercado de energia elétrica justificam a não alteração das tarifas transitórias de venda a clientes finais em vigor para todos os fornecimentos de energia elétrica, o que acontece pelo terceiro trimestre consecutivo.

Também em relação ao gás natural, as condições de aprovisionamento nos mercados internacionais justificam a manutenção das tarifas transitórias em vigor para todos os clientes até ao final do ano, depois de um aumento de 3,9% no terceiro trimestre (de 1 de julho a 1 de outubro).

Segundo o último resumo informativo do mercado liberalizado de eletricidade, divulgado pela ERSE, o número de clientes no mercado livre cresceu em julho 4,6%, cerca de 1,3 pontos percentuais acima do crescimento registado em junho, tendo a mudança de comercializador ganho "novo fôlego com o leilão promovido pela Deco para os consumidores domésticos".

No balanço sobre a campanha 'Pague menos luz', a DECO revelou que 40 mil pessoas aderiram ao tarifário proposto pela Endesa no leilão de eletricidade, lançado em abril.

O crescimento líquido do número de clientes foi em julho de cerca de 82 mil clientes face a junho (mês em que ganhou 57 mil clientes), totalizando um número acumulado de cerca de 1,86 milhões clientes no mercado liberalizado de eletricidade.

Desde julho de 2012, o número de consumidores no mercado livre praticamente triplicou, tendo-se registado uma aceleração das migrações para o regime de mercado desde dezembro passado, adianta o regulador do mercado.

Em relação ao número de clientes, além da recuperação da Endesa, que vinha perdendo quota de mercado desde julho de 2012, a EDP Comercial, o principal operador no mercado livre, registou uma "ligeira redução" da sua posição face a junho, com um decréscimo de quota em cerca de 0,9% em número e de 0,5% em consumo, quando vinha a ganhar continuamente quota desde outubro de 2012.

No que toca ao consumo, a EDP Comercial tem uma quota de 44%, sendo seguida pela Endesa (22%), a Iberdrola (20%) e a Galp (6%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.