TAP adverte pilotos para consequências financeiras negativas de eventual greve

Presidente do conselho de administração da empresa, Fernando Pinto, enviou carta.

A TAP informou hoje que o presidente do conselho de administração, Fernando Pinto, enviou uma carta aos pilotos da transportadora, na qual adverte para as consequências financeiras negativas que uma eventual greve pode ter na empresa.

"Foi enviada uma comunicação aos pilotos", disse à agência Lusa fonte da transportadora portuguesa, salientando que a carta foi enviada no âmbito do diálogo regular que a empresa tem com os sindicatos, "agora com o grupo profissional dos pilotos".

Na carta, a administração sublinha, entre outros assuntos, as "consequências" negativas financeiras que uma eventual greve pode ter na empresa.

"Qualquer perturbação laboral pode prejudicar financeiramente a empresa", disse a mesma fonte.

Segundo a fonte, na carta é também explicado o "ponto de vista" da empresa sobre o acordo ratificado com o Governo a 23 de dezembro de 2014 e que agora foi contestado pelos pilotos, por alegado incumprimento.

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) marcou assembleias de empresa para quarta e quinta-feira, depois de considerar que o processo negocial entre o sindicato, a TAP e a PGA, no âmbito do compromisso subsidiário do acordo ratificado com o Governo em 23 de dezembro de 2014 chegou a um "impasse insanável".

Nas reuniões de quarta e quinta-feira caberá aos pilotos decidir os próximos passos, que podem incluir ações de luta, nomeadamente a greve, segundo o sindicato.

Num comunicado emitido a 08 de março, a direção do SPAC informou que "o processo negocial entre o SPAC, a TAP e a PGA, no âmbito do compromisso subsidiário do acordo ratificado com o Governo em 23 de dezembro de 2014 chegou a um impasse insanável, por motivos estritamente imputáveis à TAP, à PGA e ao Governo".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.