Site Tripadvisor multado em 500 mil euros devido a comentários enganosos

Vários comentários publicados terão sido escritos por profissionais do sector. Consumidores pensavam que estavam a ler avaliações feitas por turistas.

A autoridade da concorrência italiana anunciou hoje ter aplicado uma coima de 500 mil euros ao 'site' de viagens 'Tripadvisor' devido à natureza enganosa de alguns comentários publicados neste serviço online.

O 'Tripadvisor', um 'site' de viagens que fornece informações, opiniões e conteúdos relacionados com turismo, terá publicado vários comentários de profissionais do sector, situação que desencadeou o desagrado de vários consumidores, que achavam que estavam a ler comentários de turistas comuns.

Após o contacto de várias associações de consumidores, a autoridade italiana da concorrência e do mercado considerou que o 'site' norte-americano e a sua filial italiana não tinham sido suficientemente honestos com os internautas. A entidade proibiu "a difusão de informações enganosas sobre as fontes dos comentários".

De acordo com o organismo italiano, o 'TripAdvisor' apresenta estes comentários "de maneira particularmente afirmativa", bem como insiste sobre o seu carácter autêntico e sincero, "o que leva os consumidores a pensar que as informações são sempre fiáveis na medida que exprimem experiências turísticas reais".

O 'TripAdvisor' tem 30 dias para pagar a coima e 90 dias para explicar à autoridade da concorrência italiana como vai evitar, no futuro, que as escolhas dos consumidores sejam influenciadas por "informações publicitárias que não correspondem à realidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.